tragédia brumadinho

Minas Gerais Auxílio para atingidos por barragem vai até fevereiro, anuncia Vale

Auxílio para atingidos por barragem vai até fevereiro, anuncia Vale

Justiça determinou, nesta sexta-feira (29), a prorrogação do benefício, pago desde fevereiro de 2019, às vítimas de Brumadinho 

  • Minas Gerais | Célio Ribeiro*, do R7

Tragédia matou mais de 272 pessoas

Tragédia matou mais de 272 pessoas

Divulgação / CBMMG

A mineradora Vale informou, nesta sexta-feira (29), a prorrogação do auxílio financeiro pago aos atingidos pelo rompimento da barragem em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte.

O anúncio veio após a determinação do presidente do TJMG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais), desembargador Gilson Lemes, para que a mineradora continue atendendo os atingidos pela tragédia.

O benefício, que é pago desde fevereiro de 2019 e tinha a previsão de ser encerrado no domingo (31), foi estendido por mais um mês, sendo válido até o dia 28 de fevereiro. Têm direito a receber o auxílio os moradores da cidade e de regiões localizadas até 1 KM do leito do rio Paraopeba, incluindo moradores de outras cidades, como Pompéu.

No total, mais de 106 mil pessoas recebem o pagamento mensalmente, que pode chegar a até um salário mínimo. O auxílio só foi definido após duas tentativas de acordo entre mineradora e Ministério Público.

Acordo entre Vale e MG

A mineradora ainda negocia um acordo bilionário para reparar econômica e socialmente os danos causados pelo rompimento da barragem da mina Córrego do Feijão. Inicialmente, o Governo de Minas esperava receber mais de R$ 50 bilhões, mas a última proposta feita pela empresa, de apenas R$ 29 bi, desagradou os representantes do Estado, que se retiraram da mesa de negociação.

Veja: Protesto de atingidos em Brumadinho já dura quase 40 horas

A empresa tinha até esta sexta-feira para apresentar uma contraproposta ou o caso retornaria para a 1º instância. No início da tarde, o Governo de Minas informou ter recebido uma nova proposta, mas sem informar o valor. Com isso, as duas partes terão mais 15 dias para negociar e chegar a um entendimento.

*Estagiário do R7 sob a supervisão de Flavia Martins y Miguel

Últimas