Marília Mendonça

Minas Gerais Avião de Marília Mendonça caiu um minuto antes do pouso

Avião de Marília Mendonça caiu um minuto antes do pouso

Polícia Civil trabalha com duas hipóteses sobre o que causou a queda da aeronave em Piedade de Caratinga (MG)

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Perícia investiga causa do acidente

Perícia investiga causa do acidente

Divulgação/Cenipa

O avião da cantora Marília Mendonça caiu um minuto antes do horário previsto para o pouso, na cidade de Piedade de Caratinga, a 243 km de Belo Horizonte, no último dia 5 de novembro.

A informação foi revelada nesta quinta-feira (25) pelo delegado Ivan Sales, responsável pelas investigações.

Segundo o policial, o piloto da cantora fez contato, via rádio, com uma aeronave próxima, e informou que já havia iniciado o procedimento de pouso.

"Em momento algum o piloto relatou qualquer tipo de problema na aeronave", destaca o delegado.

A Polícia Civil tenta identificar eventual responsável pela tragédia. De acordo com Ivan Sales, no momento, há duas hipóteses sobre o motivo da queda: o choque contra uma linha de transmissão de energia da Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais) e problemas no motor.

"Aguardamos o laudo do Cenipa [Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos] para ver se, com a conclusão, será possível afirmar que os motores não apresentaram nenhum tipo de defeito", detalhou o policial, em referência ao laudo que é produzido pela equipe técnica da FAB (Força Aérea Brasileira).

Em nota, o Crea-MG (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais) informou que abriu um procedimento administrativo para analisar a instalação e a operação das linhas de transmissão de uma torre da Cemig, atingida antes da queda do avião, "assim como também o levantamento dos dados e dos estudos de segurança relativos à instalação do aeroporto". (Veja a nota abaixo)

O IML (Instituto Médico-Legal) descartou a hipótese de que os pilotos, a cantora e sua equipe tenham consumido algum tipo de droga ou bebida alcoólica. Também foi descartada a possibilidade de mal súbito durante o voo.

Além da cantora sertaneja, estavam no avião o piloto Geraldo Martins de Medeiros; o copiloto Tarciso Pessoa Viana; o assessor Abicieli Silveira Dias Filho, tio de Marília; e Henrique Ribeiro, produtor da artista.

O bimotor King Air C90A caiu quando levava Marília de Goiás para um show em Caratinga (MG).

Nota do Crea-MG:

"O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais (Crea-MG) informa que está fazendo levantamento documental das atividades técnicas relacionadas à instalação e à operação das linhas de transmissão de uma torre da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), atingida antes da queda do avião ocupado pela cantora Marília Mendonça, culminado na sua morte e de mais quatro vítimas. Assim como também o levantamento dos dados e dos estudos de segurança relativos à instalação do aeroporto. Tal procedimento é burocrático e não investigativo. A ação do Crea-MG, iniciado imediatamente após a ocorrência, é em função de o acidente ter envolvido estruturas que são acompanhadas por engenheiros. O objetivo é identificar os profissionais responsáveis por tais atividades para colaborar nas investigações se acaso for demandado".

Últimas