Novo Coronavírus

Minas Gerais BH avalia compra de outras vacinas após incerteza sobre a Sputnik

BH avalia compra de outras vacinas após incerteza sobre a Sputnik

Secretaria de Saúde aguarda avaliação de laboratórios sobre encomenda de 4 milhões de imunizantes contra a covid-19

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Negociação da Sputnik com a prefeitura é incerta

Negociação da Sputnik com a prefeitura é incerta

Agustin Marcarian/Reuters

A Prefeitura de Belo Horizonte passou a negociar vacinas contra a covid-19 com fabricantes estrangeiras além do laboratório que produz o imunizante russo Sputnik V. Entre elas estão a Janssen e a AstraZeneca.

A decisão foi tomada após a administração da cidade considerar como incerta a negociação com os russos por uma falta de disponibilidade imediata e em função da suspensão das análise de aprovação da vacina por parte da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A Secretaria de Saúde ainda não divulgou quais são todos os laboratórios em negociação, mas garantiu que a ideia segue a mesma de comprar 4 milhões de doses, o que seria suficiente para imunizar quase 2 milhões dos 2,7 milhões de habitantes.

Segundo a pasta, uma das marcas sondadas é a Janssen, braço farmacêutico da empresa americana Johnson & Johnson. No caso deste medicamento, não seriam necessárias as 4 milhões de doses, já que ele garante a imunização com aplicação única.

"Sobre a situação de cada uma das negociações, a prefeitura esclarece que aguarda posição das empresas sobre as possíveis datas", informou a Secretaria de Saúde à reportagem.

Nesta terça-feira, durante entrevista à rádio Super, o secretário de Saúde Jackson Machado destacou que a Sputinik está entre as compras "praticamente descartadas".

Além da negociação própria, a Prefeitura de BH faz parte do consórcio de municípios que se uniram para viabilizar as negociações. Durante uma coletiva no início deste mês, no entanto, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) disse não estar confiante com a parceria.

Últimas