BH libera shoppings populares, lojas e salão de beleza na segunda (25)

Secretário municipal de saúde apresentou o cronograma de retomada parcial do comércio na capital mineira durante a pandemia de covid-19

Anúncio foi feito pelo secretário de saúde

Anúncio foi feito pelo secretário de saúde

Record TV Minas/Reprodução

A Prefeitura de Belo Horizonte autorizou a reabertura de estabelecimentos como salões de beleza, shoppings populares e alguns tipos de comércio varejista a partir desta segunda-feira (25).

A estratégia foi apresentada pelo secretário de Estado de Saúde, Jackson Machado, que reforçou a necessidade de a população continuar mantendo as medidas de isolamento social e uso das máscaras. 

— Esse momento me traz um pouco de medo. Mas esperamos que, depois da promulgação do decreto, mantenhamos a nossa reponsabilidade do distanciamento social. Devemos sair de casa sabendo o que vai comprar, comprar e depois voltar para casa. Acabou a época de ficar passeando em loja. Uso da máscara também deve continuar.

De acordo com o secretário, a reabertura do comércio contará com horários específicos de funcionamento para cada atividade. Confira: 

- Salões de beleza (exceto clínicas de estética): 7h às 21h
- Shoppings populares: 11h às 19h
- Comércio varejista de móveis, artigos domésticos, cama, mesa e banho, tecido e afins: 11h às 19h
- Papelaria: 11h às 19h
- Perfumaria e cosméticos: 11h às 19h
- Veículos, peças e acessórios: 9h às 17h

Apesar da reabertura de alguns setores da economia, o secretário Jackson Machado não descartou a possibilidade de voltar a fechar os estabelecimentos caso os indicadores de saúde piorem consideravelmente. Segundo ele, os indicadores serão monitorados diariamente.

Indicadores

O anúncio sobre a volta parcial do comércio na capital mineira foi feita pelo secretário com base em análises técnicas do comitê que monitora a proliferação da covid-19 na cidade. 

Os médicos que fazem parte do grupo levaram em consideração três fatores, que são:

    • Número médio de transmissão por infectado;
    • Taxa de ocupação dos leitos de enfermaria;
    • Taxa de ocupação dos leitos de UTI;

Nadim Donato Filho, presidente do Sindilojas-BH (Sindicato de Lojistas de Belo Horizonte) disse à reportagem que está confiante com a estratégia de reabertura adotada na cidade.

— Nós gostaríamos que abrisse tudo de uma vez, mas sabemos que se isto acontecer, pode haver um descontrole da doença no futuro e, assim, exigir um novo fechamento das lojas. Isso iria matar o comércio de Belo Horizonte.

Isolamento em BH

Desde 20 de março, apenas os serviços considerados essenciais podiam funcionar em Belo Horizonte. Entre eles, estão supermercados, açougues, farmácias, clínicas de saúde, padarias, sacolões, postos de combustível, lojas de material de construção, agências bancárias, lotéricas e Correios.

No caso de bares e restaurantes, a lei autoriza a venda de comida pelo delivery ou para retirar no local, desde que os alimentos estejam “prontos e embalados para consumo fora do estabelecimento”.

* Estagiária do R7 sob supervisão de Pablo Nascimento