Novo Coronavírus

Minas Gerais BH teve leitos fechados por falta de kit intubação, confirma secretário

BH teve leitos fechados por falta de kit intubação, confirma secretário

Segundo Jackson Machado, o baixo estoque de medicamentos fez a prefeitura fechar 10 UTIs em um hospital da cidade

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Secretário diz que a situação é "desesperadora"

Secretário diz que a situação é "desesperadora"

Divulgação / PBH / Amira Hissa

Dez leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) foram fechados em Belo Horizonte devido à falta de medicamentos usados na intubação dos pacientes.

A informação foi confirmada pelo secretário Municipal de Saúde, Jackson Machado, durante um evento virtual, nesta sexta-feira (9).

Machado classificou a situação como "desesperadora" e destacou que alguns hospitais estão comprando remédios, conhecidos como "kit intubação", pagando até 500% a mais que os valores praticados anteriormente.

— Tivemos que fechar dez leitos no Hospital Luxemburgo por falta de insumos. São dez leitos de UTI por causa de falta de ‘kit intubação’.

Em nota, a direção do Hospital Luxemburgo informou que não houve fechamento de leitos na unidade durante a pandemia. A reportagem procurou a Secretaria Municipal de Saúde para comentar a informação, mas aguarda retorno.

O secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti também participou do encontro e destacou que o estoque do governo está baixo. Segundo ele, os medicamentos seriam suficientes para atender a todos os hospitais por, no máximo dois dias.

Leia também: Zema alerta para falta de 'kit intubação' e culpa governo federal

Para evitar um colapso, a equipe da secretaria explicou que está enviando os produtos aos poucos para as unidades de saúde. Baccheretti alegou que falta se deve, principalmente, à falta de medicamentos nos fornecedores. Ele diz que a pasta aguarda a chegada de novos lotes por parte do Ministério da Saúde.

— As empresas que reabastecem os suprimentos pararam de entregar porque o Ministério da Saúde pediu todo o estoque levou para lá.

Mesmo com a falta de medicamentos, os governos vêm tentando apliar a disponibilidade de vagas. Belo Horizonte tem atualmente 1.157 UTIs para covid-19 nas redes pública e privada, que estão com 92,8% de ocupação. Há um mês eram 646 vagas.

Veja a íntegra da nota do Hospital Luxemburgo:

"O Instituto Mário Penna, que administra o Hospital Luxemburgo, informa que apesar do agravamento da crise enfrentada pela pandemia do coronavírus por todas as instituições de saúde e, principalmente pela falta de medicamentos, não fechou nenhum leito de CTI. 

Somos uma instituição reconhecida e referência no atendimento oncológico, e com a pandemia, abraçamos a necessidade da sociedade, bem como o atendimento à demanda do governo municipal, ampliando nossos espaços e leitos para atender os acometidos pela Covid.

Temos recebido o apoio das Secretarias Municipal e Estadual de Saúde, que controla o fornecimento de alguns dos medicamentos essenciais para o tratamento da Covid, no sentido de suprir a demanda ocasionada pela disponibilização do Hospital Luxemburgo de 64 leitos de enfermaria e 30 exclusivos de CTI para o atendimento dos pacientes infectados pelo coronavírus.

Apesar desse contexto, precisamos reforçar que os atendimentos aos pacientes oncológicos não foram prejudicados e, os leitos e tratamentos que sempre existiram, continuam funcionando normalmente.

Para finalizar, ressaltamos que apesar desse contexto, seguimos, diariamente, trabalhando para minimizar os danos e impactos aos pacientes que se encontram em tratamento em nossas dependências."

Últimas