tragédia brumadinho
Minas Gerais Brumadinho: prefeito quer que Vale pague funcionários sem trabalhar

Brumadinho: prefeito quer que Vale pague funcionários sem trabalhar

Mineradora é a segunda maior empregadora da cidade; chefe do Executivo municipal teme crise financeira devido à paralisação das atividades

Prefeito criticou ação da mineradora

Prefeito criticou ação da mineradora

Reprodução / Record TV Minas

O prefeito de Brumadinho, Avimar de Melo Barcelos (PV), afirmou nesta sexta-feira (1°) que teme pela saúde financeira do município com a paralisação das atividades da Vale após o rompimento da barragem da mina Córrego do Feijão. Para diminuir os impactos, o chefe do Executivo Municipal disse que solicitou à empresa que continue pagando os funcionários que moram na cidade, mesmo que eles fiquem sem trabalhar.

— A Vale é a segunda empregadora do município. Se ela parar e parar de pagar os funcionários, o nosso comércio vai acabar.

Maquinista da Vale em Brumadinho escapa da lama por poucos minutos

Nesta quinta-feira (31), a companhia anunciou que repassará R$ 80 milhões para a Prefeitura de Brumadinho para compensar a perda nas arrecadações. Segundo a mineradora, o valor será transferido ao longo dos próximos dois anos, em substituição aos impostos que seriam pagos no período.

Mesmo com a adoção de tais medidas, Barcelos informou que já procurou os Governos Estadual e Federal para evitar a paralisação dos “serviços essenciais” da cidade, em caso de uma queda no orçamento.

Procurada, a Vale informou ao R7 que está mantendo os pagamentos de "todos os empregados que atuavam na região".