Minas Gerais Câmara de BH não vota projeto que classifica cultos como essenciais

Câmara de BH não vota projeto que classifica cultos como essenciais

Vereadores decidiram retirar o assunto da pauta desta quarta-feira (7) e devem voltar a falar sobre ele nesta quinta-feira (8)

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento com Célio Ribeiro*, do R7

Votação foi feita na Câmara Municipal

Votação foi feita na Câmara Municipal

Reprodução / Record TV Minas

A Câmara Municipal de Belo Horizonte tirou da pauta um projeto de lei que classificava missas, cultos e celebrações religiosas como atividades essenciais.

O PL seria votado nesta quarta-feira (7) e funcionaria como um complemento ao projeto aprovado na terça-feira (6), que definiu como serviços essenciais as igrejas e templos religiosos da cidade, mas não falava especificamente das celebrações, e sim de “assistência espiritual e assistencial às comunidades religiosas”.

O projeto foi retirado de pauta pelo vereador Professor Juliano Lopes (PTC), um dos autores da PL. O parlamentar alegou que se trata de uma discussão que ainda está em aberto na Câmara e que precisa ser melhor debatida. O pedido de retirada foi aceito pela Presidente da Câmara, Nely Aquino (Podemos).

A ‘onda roxa’ do plano Minas Consciente permite a abertura de espaços religiosos para atendimento e visitação individuais, sendo impedida a realização de reuniões com mais de duas pessoas. A norma é seguida também por Belo Horizonte e cidades da região metropolitana.

A expectativa é que o projeto volte ao plenário da Câmara na quinta-feira (8).

* Estagiário sob supervisão de Pablo Nascimento

Últimas