Minas Gerais Câmara ouve denúncia de 'comida com mosca' em hospital infantil

Câmara ouve denúncia de 'comida com mosca' em hospital infantil

Má qualidade na alimentação fornecida por empresa no Hospital Infantil João Paulo 2º é tema de audiência pública nesta quarta (30)

Antigo CGP é referência para doenças raras em crianças

Antigo CGP é referência para doenças raras em crianças

Divulgação

A Câmara de Belo Horizonte vai ouvir, nesta quarta-feira (30), denúncias do Conselho de Saúde do Hospital Infantil João Paulo 2º, localizado no bairro Santa Efigência, região Centro-Sul de Belo Horizonte, sobre a má qualidade da alimentação fornecida a pacientes, acompanhantes, prestadores de serviços e servidores da unidade de saúde. 

De acordo com informações levadas à Comissão de Saúde e Saneamento da Câmara pela presidente do Conselho de Saúde do hospital, Larissa Furtado, a empresa terceirizada responsável pela alimentação na unidade de saúde fornece "comida com mosca, mosquitos e larvas, baixo teor nutricional, atrasos e até falta de refeições para crianças com dietas restritivas''.

O pedido de audiência pública foi feito pelo vereador Dr. Célio Frois (Cidadania). De acordo com ele, a Comissão de Saúde e Saneamento também quer saber porque a reforma do refeitório do Hospital Infantil João Paulo 2º ainda não foi entregue. O local está fechado desde 2019. 

A unidade hospitalar é referência para atendimento a doenças crônicas pediátricas, doenças raras e, também, no atendimento de crianças com covid-19. 

São esperadas na audiência pública, as seguintes autoridades: 

- Fabrício Giarola Oliveira, diretor do Hospital Infantil João Paulo 2º
- Déborah Silva, gerente de Coordenação de Nutrição
- Renata Ferreira Leles Dias, presidente da Fhemig (Fundação Hospitalar de Minas Gerais)
- Lucinéia Maria de Queiroz Carvalhais, diretora Assistencial Fhemig
- representante do Conselho Estadual de Saúde.

Referência

Primeiro Centro de Referência em Doenças Raras de Minas Gerais, o Hospital Infantil João Paulo 2º foi fundado em 1971 como espaço de referência ao atendimento pediátrico no Estado e faz parte da Rede Fhemig, de responsabilidade do Governo de Minas. 

O hospital conta com 16 leitos de UTI pediátricos e presta assistência e acompanhamento a outras doenças raras nas áreas de cardiologia, neurologia, reumatologia, gastroenterologia, pneumologia, dermatologia e endocrinologia.

Últimas