Minas Gerais Clínica de reabilitação em MG é interditada por suspeita de tortura

Clínica de reabilitação em MG é interditada por suspeita de tortura

Caso aconteceu na cidade de Mateus Leme, na Grande BH; 27 internos que estavam no local foram retirados de lá

  • Minas Gerais | Virgínia Nalon, da Record TV Minas

A Polícia Civil interditou, na noite desta sexta-feira (16), mma clínica de reabilitação para dependentes químicos na zona rural de Mateus Leme, na região metropolitana de Belo Horizonte, por suspeita de tortura contra os pacientes.

Internos relataram maus-tratos, diz delegada

Internos relataram maus-tratos, diz delegada

Reprodução / Record TV Minas

Vinte e sete internos que estavam no local, entre eles um adolescente de 16 anos, foram retirados de lá.

A delegada Lígia Barbiere Montovani explica que a corporação recebeu denúncias sobre os problemas. No local, durante ação realizada pela polícia, pacientes relataram os maus-tratos.

— Eles contaram que tinham os pés e as mãos amarrados em camas, que passavam as noites amarrados, privados de alimentação e cuidados médicos. Um deles disse que foi levantado e jogado da cama durante algumas vezes.

Após a operação policial, a cabeleireira Larissa Borges foi buscar o pai que estava viven na clínca. Ela contou à reportagem que o pai já havia falado sobre as agressões.

— Na primeira visita que fiz, ele comentou que não havia sido agredido, mas que tinham outros internos que apanhavam, que havia um quarto do castigo no local, mas logo um terapeuta o interrompeu e disse que aquilo não era verdade.

Para ficar no sítio, cada interno tinha que pagar um valor que variava entre R$ 1.000 e R$ 1.200. O dinheiro deveria ser usado para custear as despesas e fornecer tratamento médico e psicológico. Assistências que os pacientes afirmam estar sem receber há muito tempo.

A Polícia Civil instaurou inquérito para apurar as denúncias. Além do administrador, os funcionários que trabalhavam na unidade também vão ser ouvidos. Eles podem responder pelos crimes de cárcere privado, ameaça, lesão corporal e por tortura. O dono da clínica prestou depoimento e negou as denúncias.

O espaço, segundo a prefeitura de Mateus Leme, nunca tinha sido alvo de reclamações e recebeu o alvará para funcionar há quatro meses. A reportagem tentou contato com o responsável pelo centro de tratamento, mas não teve retorno.

Todos os pacientes resgatados pela polícia foram ouvidos na delegacia. Alguns foram examinados ali mesmo pelo prefeito, que é médico e, em seguida, levados para o hospital. O interno menor de idade foi entregue ao Conselho Tutelar. Seis adultos foram levados para o Hospital Municipal de Mateus Lemes. Os demais já estão com suas famílias.

Últimas