Novo Coronavírus

Minas Gerais CNJ dá 15 dias para juíza anti-máscara se explicar sobre vídeo

CNJ dá 15 dias para juíza anti-máscara se explicar sobre vídeo

Ludmila Lins Grilo, da Comarca de Unaí (MG) postou vídeo com "passo a passo" para não utilização de máscara em shopping

  • Minas Gerais | Lucas Pavanelli, do R7

Resumindo a Notícia

  • Juíza Ludmila Grilo responde a procedimento disciplinar no CNJ
  • Na reclamação, foram anexadas diversas postagens feitas por ela em sua rede social
  • Conselheiro do CNJ pediu que ela fosse impedida de postar
  • Ministra do CNJ deu prazo para que ela respondesse
Juíza é investigada pelo CNJ

Juíza é investigada pelo CNJ

Reprodução / Twitter

O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) deu prazo de 15 dias para que a juíza Ludmila Lins Grilo, da Comarca de Unaí, a 640 km de Belo Horizonte, se manifeste sobre uma publicação em suas redes sociais em que ela demonstra uma espécie de passo a passo para que as pessoas possam andar sem máscara em shoppings centers. Ela também é investigada em outros processos, alguns deles também relacionados a postagens em redes sociais. 

O vídeo viralizou no dia 4 de janeiro, quando a magistrada estava em um shopping de Niterói, no Rio de Janeiro. 

"Passo a passo para andar sem máscara no shopping de forma legítima, sem ser admoestado e ainda posar de bondoso”, escreveu a juíza, que é titular da Vara Criminal e da Infância e da Juventude, na postagem, que tem quase 1 milhão de visualizações. Veja a publicação:

O caso foi levado ao CNJ pelo advogado José Belga Assis Trad. Além do vídeo postado pela magistrada, o reclamante ainda anexou outras postagens feitas por Ludmila Grilo. Em uma delas, há uma foto de uma praia com a hashtag #AglomeraBrasil.

Em outra, ao compartilhar uma imagem de pessoas aglomeradas em uma rua, ela escreveu: "Rua das Pedras, em Búzios/RJ, agora à noite. Uma cidade que resiste à estupidez". 

De acordo com Assis Trad a juíza defende “aberta e entusiasticamente, na sua conta do Twitter, que possui um número expressivo de seguidores (mais de 130 mil), a aglomeração de pessoas nas praias e festas do litoral brasileiro”. 

Além do advogado, o conselheiro Marcos Vinícius Jardim Rodrigues também pediu a apuração de fatos relatados em um vídeo no Youtube, em que a juíza "faz graves afirmações contra o Conselho Nacional de Justiça, o Supremo Tribunal Federal e o próprio Poder Judiciário.”

O conselheiro ainda pediu uma medida cautelar in limine, para impedir que a magistrada dissemine em suas redes sociais, "atos e comportamentos manifestamente contrários às medidas de prevenção e combate à pandemia". 

Em suas redes sociais, a magistrada criticou o pedido, dizendo que o conselheiro estaria querendo "interditar o debate".

Decisão

Em decisão proferida na última segunda-feira (11), a ministra Maria Thereza de Assis Moura desconsiderou o pedido da medida cautelar. Segunda ela, isso poderia configurar "censura prévia". A ministra determinou que a Corregedoria-Geral de Justiça do Estado de Minas Gerais notifique a juíza para que ela possa apresentar a defesa até 15 dias.  

Últimas