Novo Coronavírus

Minas Gerais Com 10 filhos, pipoqueiro perde renda e tenta resistir à pandemia

Com 10 filhos, pipoqueiro perde renda e tenta resistir à pandemia

Morador de BH viu as vendas zerarem com o fechamento das escolas e suspensão dos eventos onde trabalhava

  • Minas Gerais | Michelyne Kubitschek, da Record TV Minas

Outras nove pessoas da família de Santos também viviam da venda de pipocas

Outras nove pessoas da família de Santos também viviam da venda de pipocas

Michelyne Kubitschek / Record TV Minas

O som das risadas e pedidos de crianças apressadas durante entrada e saída das aulas deu lugar ao silêncio do quintal da casa de Herbert Lima dos Santos, o Beto, pipoqueiro de 39 anos que viu a vida financeira se transformar com a pandemia de covid-19.

A paralisação das aulas presenciais, determinada pelos governos municipal e estadual, como uma das estretégias de conter a disseminação do coronavírus, é a principal responsável pelo prejuízo. Sem estudantes e sem público de eventos, também suspensos, Santos, que tem 10 filhos e trabalha no ramo há 15 anos, viu sua renda zerar.

— No começo os pais dos alunos que me conheciam me ajudavam com um alimento, uma cesta básica. O problema é que a pandemia continou, as ajudas, não.

Somente na família de Santos, outras 9 pessoas também vendiam pipocas na porta de colégios de Belo Horizonte. O faturamento de cada parente chegava a R$2.500. É o caso de Leila Lima de Souza, 56 anos, mãe do vendedor e pipoqueira há quatro décadas.

— O maior problema é que esse era o negócio de família. Nunca pensamos que uma coisa desse tipo [a pandemia] destruiria tudo que construímos há tantos anos. A gente gastava pouco com o material e ganhava um dinheirinho bom.

A realidade da família é a mesma de pelo menos 380 profissionais do ramo, segundo dados da  Associação de Pipoqueiros e do Sindicato dos Pipoqueiros da Grande BH. O número, no entanto, pode ser ainda maior: cerca de 1.600 vendedores de pipocas espalhados por BH, segundo os próprios profissionais que dizem que grande parte não se associa a entidades de representação.

Alternativa

Família começou a fazer bolos para driblar crise

Família começou a fazer bolos para driblar crise

Michelyne Kubitschek / Record TV Minas

Com 10 filhos em casa, a solução encontrada por Santos para minimizar prejuízos e evitar a fome da família, foi pedir à mãe para fazer bolos caseiros. Em uma rede social em que estão pais dos alunos de escolas onde atuava e moradores daquela região, ele posta fotos de produtos.

Bolos comuns, recheados, doces diversos e, agora, ovos de páscoa fazem parte do cardápio. Às quintas-feiras, Santos guarda todos os pedidos na bolsa de entregas e pedala por mais de uma hora, do bairro Juliana, em Venda Nova, até o bairro Santo Antônio, na região Centro-Sul da cidade. Lá, ele entrega nas casas e prédios dos clientes.

— Ainda assim não dá. Eu ganho comissão do que minha mãe faz. Agora, tá rendendo cerca de R$100 por semana. Minha mãe também lucra quase nada. Com a pipoca, o gasto era muito pequeno. Agora, pra fazer essas coisas, gasta farinha, ovo, chocolate, leite condensado, gás. É muito mais coisa", calcula.

Escolha difícil

Coma redução nos ganhos, a compra mensal da casa da família também mudou. A maior dificuldade para o pipoqueiro é ver os filhos, que têm idades entre 4 e 22 anos, pedirem por algo que, nesse momento, ele não pode comprar.

— Eu já tenho filhos grandes que trabalham, correm atrás. Um deles tá investindo em um canal de jogos no Youtube. Sabe, o que dói mesmo é ver os filhos pequenos da gente querendo as coisas. Um iogurte, por exemplo, eu não dou para os de 8 anos. Converso com eles e falo que o pequenininho, de 4 anos, sente mais vontade. É uma escolha que dói demais.

De acordo as Secretarias de Educação Municipal e Estadual, ainda não há previsão de retorno às aulas presenciais.

Grupos se únem para ajudar famílias carentes durante a pandemia:

Últimas