Novo Coronavírus

Minas Gerais CPI dos Fura-Filas em Minas Gerais ouve hoje ex-secretário de Saúde

CPI dos Fura-Filas em Minas Gerais ouve hoje ex-secretário de Saúde

Carlos Eduardo Amaral, exonerado após o R7 revelar supostas irregularidades, terá que esclarecer vacinação de servidores

Carlos Amaral nega as irregularidades

Carlos Amaral nega as irregularidades

Divulgação / ALMG / Clarissa Barçante

Acontece na manhã desta quinta-feira (20) o depoimento do ex-secretário Estadual de Saúde de Minas Gerais, Carlos Eduardo Amaral, na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que investiga possível caso de fura-fila da vacina da covid-19 dentro da pasta na época em que era comandada pelo médico.

Considerado um dos depoimentos mais esperados, os deputados da ALMG (Assembleia Legislativa de Minas Gerais) devem questionar Amaral sobre os critérios adotados na seleção dos servidores escolhidos para imunização.

A CPI foi criada no início do último mês de março, após o R7 revelar que a Secretaria estaria imunizando funcionários que não faziam parte dos grupos prioritários. Desde então, os deputados ouviram servidores, alguns deles já demitidos, represenantes dos profissionais da Saúde, especialistas do setor, gestores públicos e a promotora de Justiça Josely Ramos, que investiga o caso no Ministério Público Estadual.

Durante as audiências, foram apontadas possíveis irregularidades como imunização de trabalhadores em home office, uso da reserva técnica para inocular servidores da Secretaria e a aplicação de doses em funcionários da pasta antes mesmo de trabalhadores da linha de frente da covid-19.

Carlos Eduardo Amaral e seu braço-direito, o então secretário-adjunto Marcelo Cabral, foram exonerados após a repercussão do caso. Desde o início, eles, que estavam entre os vacinados, negam que houve irregularidades. Segundo Amaral, as convocações foram feitas após a distribuição de doses suficientes para imunizar 82% dos trabalhadores da saúde e atendendo os critérios do PNI (Plano Nacional de Imunização).

Últimas