tragédia brumadinho
Minas Gerais Crime da Vale: Engenheiro diz que foi pressionado para assinar laudo

Crime da Vale: Engenheiro diz que foi pressionado para assinar laudo

Makoto Namba preso, no dia 29 de janeiro, afirmou à força-tarefa que cúpula teria ameaçado contratar outra empresa para liberar atestado 

Barragem matou 134 pessoas; 199 estão desaparecidas

Barragem matou 134 pessoas; 199 estão desaparecidas

Paulo Henrique Lobato/ R7 Minas

O engenheiro Makoto Namba afirmou ter sofrido pressão da cúpula da Vale em Minas para assinar o atestado de segurança, em que o R7 teve acesso, da barragem de Brumadinho no ano passado. 

Makoto Mamba disse ainda que, caso o documento não fosse assinado, a mineradora iria contratar outra empresa. 

Segundo apurou o jornalismo da Record TV Minas, na tarde desta terça-feira (5), a afirmação foi dada em depoimento para os integrantes da força tarefa que investiga a responsabilidade pelo rompimento da barragem no último dia 25 de janeiro. Ele aguarda o alvará de soltura para deixar a Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. 

A reportagem pediu esclarecimento da Vale e está aguardando uma resposta.

Solto hoje pelo (STJ) Superior Tribunal de Justiça, o engenheiro é funcionário da TUV SUD, empresa de origem alemã, que foi contratada pela Vale no ano passado. O R7 mostrou, com exclusividade, a existência do atestado de segurança. 

Além Makoto, o STJ mandou soltar André Yassuda, outro engenheiro da TUV SUD, além de três funcionários da Vale, Cesar Augusto Paulino Grandchamp (geólogo), Ricardo de Oliveira (gerente de Meio Ambiente) e Rodrigo Artur Gomes de Melo (gerente executivo do Complexo Paraopeba da Vale).

O R7 entrou em contato com a Vale e, até o momento, não recebeu a resposta sobre a denúncia. 

Reprodução