Minas Gerais Cuidadora recebe doses trocadas de vacina contra covid em BH

Cuidadora recebe doses trocadas de vacina contra covid em BH

Moradora que recebeu imunizantes da Pfizer e da AstraZeneca conta que não sabia da obrigatoriedade de repetir a mesma marca

Uma cuidadora de idosos de Belo Horizonte acionou a polícia e a prefeitura após receber, equivocadamente, a segunda dose da vacinas contra a covid-19 de marca diferente.

O cartão de vacinação de Marília da Conceição Nazareth mostra que a cuidadora recebeu a primeira dose da Pfizer no dia 8 de maio. A previsão é que ela recebesse a segunda aplicação no dia 31 de julho, mas, na última terça-feira (20), ao procurar o Centro de Saúde Paraíso, na região Leste da capital, para receber a vacina contra a gripe comum, foi instruída a adiantar a imunização contra a covid-19.

— Procurei o posto para tomar a vacina da influenza, mas a moça me falou que eu já poderia tomar a segunda dose. Aí ela me encaminhou para outro setor.

Covid-19: confira quem pode se vacinar em BH nesta semana 

A cuidadora afirma ter percebido que estava recebendo um medicamento de marca diferente, mas alega que não questionou a servidora por acreditar que aquela fosse uma prática comum. Uma sobrinha de Marília que trabalha com enfermagem que alertou a tia sobre o erro.

— Só à noite eu liguei para a minha sobrinha e, só então, eu percebi a gravidade do que havia acontecido. Minha sobrinha ficou bastante nervosa.

A mulher relata ter passado mal durante dois dias após a aplicação da segunda vacina e teme que o organismo possa ter reações negativas a médio prazo.

Cartão mostra vacinação com marcas diferentes

Cartão mostra vacinação com marcas diferentes

Reprodução / Record TV Minas

Em vários países da Europa, são aplicadas vacinas de marcas diferentes entre a primeira e segunda dose.

No Brasil, alguns Estados autorizam gestantes que receberam a primeira aplicação da Astrazeneca a tomarem a Pfizer na segunda dose, mas a prática ainda não foi autorizada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Em Minas Gerais, a mistura de vacinas não foi autorizada.

A Prefeitura de Belo Horizonte informou, em nota, que vai acompanhar o caso da usuária que recebeu imunizantes de marcas diferentes. De acordo com o executivo, não existe indicação de aplicação de uma terceira dose e as equipes de vacinação serão, novamente, orientadas.

Últimas