Coronavírus

Minas Gerais Defensoria quer reter receita para remédio testado contra Covid-19

Defensoria quer reter receita para remédio testado contra Covid-19

Desde que um estudo inicial nos EUA com uso de cloroquina, há uma corrida às farmácias para a compra do medicamento; Anvisa alerta para riscos

Cloroquina já sumiu em algumas farmácias

Cloroquina já sumiu em algumas farmácias

Divulgação

A Defensoria Pública de Minas Gerais entrou com um pedido na Justiça de Minas para que as farmácias passem a exigir e reter a receita médica para quem for comprar o medicamento hidroxicloroquina.

O remédio cloroquina, como é popularmente conhecido, foi utilizado em testes iniciais com apenas 36 pessoas nos Estados Unidos e, desde a divulgação de que os pacientes com Covid-19 e que estavam em estado greve tiveram uma melhoria nos quadros, houve uma corrida aos estabelecimentos e, em alguns casos, já há falta dos medicamentos nos estoques. 

A cloroquina é utilizada no tratamento da malária, de doenças reumatóides e autoimunes, como o lúpus. Hoje, não é preciso apresentar receita médica para comprar o medicamento.

O defensor público Rodrigo Delage ressalta que há preocupação com relação ao desabastecimento. 

— Conferimos o estoque de uma das principais redes de drogarias de Minas Gerais e tivemos a confirmação de que já não existia a Hidroxicloroquina para venda. Isso nos trouxe uma imensa preocupação, já que atinge diretamente aqueles que precisam e têm indicação médica para uso deste medicamento

Médico diz que é preciso cautela com remédio contra coronavírus

Ação

A medida cautelar da Defensoria Pública aponta, além do risco de desabastecimento, aumento abusivo de preços e a possibilidade de uso indiscriminado do remédio como fatores de risco. 

Recomendação

Diante da corrida às farmácias para a cloroquina, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) emitiu um comunicado para dizer que não há, no momento, recomendação para o uso "em pacientes infectados ou mesmo como forma de prevenção à contaminação". O órgão também diz que a automedicação "pode representar um grave risco à saúde". 

Últimas