Minas Gerais Dengue e gripe mobilizam postos de saúde da Grande BH neste sábado

Dengue e gripe mobilizam postos de saúde da Grande BH neste sábado

Belo Horizonte, Contagem e Betim abrem postos de saúde para atendimento a pacientes com sintomas de dengue e para Dia D da vacina contra a gripe

BH tem mais de 20 mil casos em análise

BH tem mais de 20 mil casos em análise

Divulgação/Fiocruz

Pelo terceiro final de sábado seguido, a Prefeitura de Belo Horizonte vai abrir postos de saúde para dar conta de atender à demanda de pacientes com sintomas de dengue na capital mineira.

Dessa vez, serão seis centros de saúde abertos entre 8h e 17h nas regiões Centro-Sul, Noroeste, Norte, Leste, Oeste e Pampulha.

Outros três CADs (Centros de Atendimento à Dengue) no Barreiro, Venda Nova e Nordeste também estarão abertos entre 8h e 18h para atender de forma espontânea, pessoas com sintomas de dengue.

Conforme balanço da Secretaria Municipal de Saúde divulgado nesta sexta-feira (3), Belo Horizonte já registra 32.057 casos prováveis da dengue somente neste ano. Desse total, 7.764 ocorrências já foram confirmadas.  

Leia mais: Com medo da dengue, comerciantes de BH convivem com lagoa em obra

A cidade vizinha, Contagem, também resolveu adotar a abertura de postos de saúde neste sábado (4) como forma de tentar dar vazão a quantidade de pacientes que procuram as unidades em busca de tratamento para a doença. 

Para isso, a prefeitura determinou a abertura de 31 centros para desafogar a demanda nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) da cidade. O município da região metropolitana de Belo Horizonte investiga quatro mortes suspeitas e já registrou mais de 13 mil casos prováveis da doença. 

Veja também: Governo de Minas decreta situação de emergência por causa da dengue

Gripe 

Além do número de casos de dengue na Grande BH, os postos de saúde de toda a região estão sendo abertos por causa do Dia D de mobilização da vacina contra a gripe. Em Betim, todas as 34 unidades estarão abertas para imunização do grupo prioritário: gestantes, puérperas (mulheres com até 45 dias pós-parto), crianças de seis meses a seis anos incompletos, povos indígenas, idosos, professores de escolas públicas e privadas, pessoas com comorbidades e outras condições clínicas especiais, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, além de funcionários do sistema prisional e pessoas privadas de liberdade.