Dengue pode ter matado 3 pessoas em MG no primeiro mês do ano

Governo investiga os três óbitos suspeitos e outras 2.246 contaminações registradas em janeiro; doença matou ao menos 173 pacientes em 2019

Dengue matou ao menos 173 pessoas em MG em 2019

Dengue matou ao menos 173 pessoas em MG em 2019

Divulgação/Fiocruz

A Secretaria de Saúde de Minas Gerais investiga três mortes suspeitas de dengue que podem ter ocorrido nos 21 primeiros dias de 2020. No último ano foram confirmados 173 óbitos pela doença e outros 99 referentes a 2019 seguem em investigação.

Um relatório da equipe de epidemiologia divulgado nesta terça-feira (21) indica que as mortes investigadas aconteceram nas cidades de Medina, Campo Belo e Além Paraíba, que ficam respectivamente a 660 km, 226 km e 380 km de Belo Horizonte.

O levantamento aponta, ainda, que até o momento, o Estado tem 2.246 casos prováveis de contaminação por dengue. O número já é maior do que o registrado em todo janeiro de 2018, quando foram notificadas 2.113 ocorrências. A quantidade, contudo, tende a ficar abaixo das notificações do mesmo mês de 2019, quando 16.179 pessoas podem ter sido infectadas.

Veja também: Saiba como diferenciar a dengue hemorrágica

O Governo do Estado fez também uma lista com as cidades que seguem com maior incidência da doença transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti. Doze municípios estão classificados como de incidência muito alta ou alta. Veja quais são eles:

Muito alta:

    • Josenópolis
    • Bandeira
    • Inhaúma
    • Tocantins
    • Tumiritinga
    • São Pedro dos Ferros
    • São José da Varginha
    • Rodeiro
    • Pingo 'Água
    • Leme do Prado

Alta:

    • Campo Belo
    • Jampruca
     

Zika e chikungunya

Os dados oficiais também contabilizam os casos suspeitos de outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Os cálculos oficiais apontam 44 pessoas com suspeita de febre chikungunya em 2020, sendo uma delas gestante. Em relação à zika, são 11 casos investigados, sendo dois em grávidas. Não há notificação de mortes para as doenças este ano.