Deputados mantêm veto a aumento para policiais em 2021 e 2022

Com a decisão, servidores da Segurança vão receber apenas o reajuste de 13% em julho deste ano; demais categorias ficarão sem recomposição

Deputados fizeram votação remota

Deputados fizeram votação remota

Divulgação/ALMG/Willian Dias

A ALMG (Assembleia Legislativa de Minas Gerais) manteve, nesta quarta-feira (17), o veto do governador Romeu Zema (Novo) ao reajuste salarial para os servidores da Segurança Pública para os anos de 2021 e 2022.

Com a decisão, os policiais terão apenas a atualização salarial de 13%, prevista para julho deste ano. Caso os outros aumentos fossem aprovados, os agentes teriam uma recomposição salarial de até 41,7% até dezembro de 2022.

Durante a sessão nesta tarde, o deputados também mantiveram a decisão do governador Romeu Zema de não conceder um aumento de até 28% para outras 13 categorias, como Educação e Saúde.

O projeto inicial, de autoria de Zema, previa apenas o reajuste para os servidores da Segurança. Durante a tramitação, no entanto, os deputados tentaram abranger o benefício para os demais funcionários do Executivo. 

Segundo os deputados que decidiram rejeitar o acréscimento salarial para os demais servidores, o que pesou na decisão foi a crise econômica enfrentada por Minas Gerais, que tem uma previsão de queda na receita R$ 7 bilhões apenas em 2020.

O parlamentares descataram que, caso o reajuste fosse aprovado, o impacto no orçamento seria de R$ 20 bilhões nos próximos três anos. A sessão plenária durou cerca de quatro horas e os legisladores votaram remotamente. O placar foi acirrado: 33 a 35.