Minas Gerais Dono de lancha é indiciado por morte de jovem em Minas Gerais

Dono de lancha é indiciado por morte de jovem em Minas Gerais

Vítima de 21 anos teria caído na água e corpo foi encontrado três dias depois; embarcação estava com excesso de passageiros

Jovem caiu na represa da Usina Hidrelétrica

Jovem caiu na represa da Usina Hidrelétrica

Reprodução / Google Street View

O dono da lancha em que estava uma jovem de 21 anos que morreu após se desequilibrar e cair na água no dia 12 de junho, na represa da Usina Hidrelétrica de Miranda, em Uberlândia, a 537 quilômetros de Belo Horizonte, foi indiciado por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, além de fraude processual e coação no curso do processo. Isso porque, segundo a Polícia Civil, o suspeito teria coagido testemunhas após o acidente.

O resultado das investigações foi apresentado nesta terça-feira (6) em coletiva de imprensa. De acordo com a Polícia Civil, o dono da embarcação, de 42 anos, teria navegado durante a noite sem os cuidados necessários, permitido o uso de bebida alcoólica dentro da lancha e não providenciado coletes salva-vidas para os passageiros. Ele ainda teria autorizado maior quantidade de pessoas na lancha do que o permitido.

Com o encerramento das investigações, o inquérito policial será enviado à justiça.

Veja: Lancha explode deixando 12 feridos e um desaparecido em Minas

O caso

De acordo com a polícia, a jovem de 21 anos teria se desequilibrado e caído na água quando o piloto engatou uma marcha, o que teria provocado um tranco na embarcação. Uma mulher teria tentado socorrê-la, mas a jovem só foi encontrada no dia 15 de junho, três dias depois do acidente. 

Ainda segundo as investigações, a lancha estava com excesso de passageiros. Para a polícia, o dono da lancha tinha o dever legal de evitar a tragédia, mas não fez.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Pablo Nascimento

Últimas