Dono de rede de sacolões é morto com 12 tiros na Grande BH

De acordo com a polícia, criminosos não levaram nenhum pertence da vítima; a motivação e os autores do crime ainda não foram identificados

Empresário foi abordado ao sair do trabalho

Empresário foi abordado ao sair do trabalho

Reprodução / Record TV Minas

O sócio de uma rede de sacolões foi morto, com 12 tiros, quando saía do trabalho em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, na noite desta quinta-feira (10). Segundo a polícia, os suspeitos não levaram nenhum pertence da vítima. Os investigadores vão investigar se o crime tem relação com um negócio de venda de ouro ou a suposta participação em um esquema de agiotagem.

Luciano José dos Santos, de 43 anos, caminhava em direção ao carro dele que estava estacionado há 20 metros do estabelecimento, quando foi surpreendido por dois homens que chegaram atirando.

Algumas cápsulas foram encontradas pela perícia perto do veículo da vítima. Segundo a PM (Polícia Militar), os assassinos usaram dois tipos de armas. O empresário foi socorrido pelos policiais e levado até um hospital da região, mas não resistiu.

A hipótese de latrocínio foi descartada porque nada foi levado da vítima. A polícia suspeita que o crime pode ter relação com um negócio de compra e venda de ouro, que a vítima participava. Testemunhas também relataram uma possível ligação com um esquema de agiotagem. Segundo o cabo Fernando Barbalho, da PM, o comerciante tem envolvimento com crimes.

— Ele tem passagens por homicídio, associação ao tráfico de drogas, agressão, ameaça e porte ilegal de arma de fogo.

Até agora ninguém foi preso. Testemunhas contaram para a polícia que na última terça-feira dois homens estiveram no sacolão pra conversar com o empresário. Eles chegaram no local no final do expediente.

— Foram pedir desculpa falando que teve um desentendimento via grupo de WhatsApp.

Os suspeitos não foram identificados. Imagens internas do circuito de segurança do comércio que mostram a vítima se encontrando com os dois homens ainda vão ser analisadas.