Em dois meses, Guarda Municipal fiscaliza 24 mil comércios em BH

Desde 20 de março, quando decreto proibiu serviços na cidade, foram quase 40 mil abordagens a comerciantes e cidadãos, sobre medidas restritivas 

Comércio não essencial não tem autorização para abrir

Comércio não essencial não tem autorização para abrir

Flickr/PBH

Desde 20 de março, quando passou a vigorar o decreto municipal que proibiu o funcionamento dos serviços não essenciais em Belo Horizonte, a Guarda Municipal realizou 38.377 abordagens para fiscalizar as medidas sanitárias com o objetivo de conter a disseminação do novo coronavírus na capital.

No balanço destes dois meses de quarentena, foram 24.332 estabelecimentos comerciais fiscalizados por descumprirem as regras restritivas. Outros 12.957 comerciantes tiveram que fechar as portas ao serem informados pelos agentes e outros 51 tiveram o alvará recolhido.

No mesmo período, a Guarda concedeu 14.045 orientações a cidadãos sobre a necessidade do uso de máscaras. Desses, 12.849 moradores foram parados nas ruas e 1.196, no transporte coletivo.

Leia mais: BH vai fiscalizar comércios próximos a cidades que reabriram lojas 

O comandante da Guarda Municipal, Rodrigo Sérgio Prates, destaca que o trabalho realizado é para garantir o cumprimento das regras estabelecidas pela administração municipal. 

— Tais ações seguem as diretrizes operacionais da corporação e se pautam na legalidade, com a apresentação dos decretos municipais aos lojistas e na orientação aos cidadãos em geral, e que resultam no cumprimento das regras municipais que têm como objetivo evitar aglomerações na cidade

Denúncias

Um levantamento divulgado pela Prefeitura de BH, em maio, mostrou que os canais oficias da capital mineira receberam mais de 14 mil denúncias de cidadãos sobre violações no isolamento. 

Até a quarta-feira (20), 23.865 das reclamações direcionadas à Ouvidoria foram repassadas e apuradas pela corporação. A maioria estava relacionada ao funcionamento irregular de lojas ou à aglomeração de pessoas em bairros a região Centro-Sul, seguida pelas regiões Oeste, Noroeste, Barreiro, Nordeste, Venda Nova, Pampulha, Leste e Norte, nesta ordem.

Abordagens educativas

A Guarda Municipal também tem realizado ações preventivas no trânsito de Belo Horizonte. Além das intervenções no transporte público, alvo principal, foram montadas 25 blitzen de abordagem a ônibus e a táxis nos últimos dias.

Ao todo, já foram mil coletivos e 300 táxis abordados, com uma média de 30 mil pessoas orientadas quanto ao uso obrigatório de máscaras. 

*Estagiária do R7 sob a supervisão de Lucas Pavanelli