Em duas semanas, BH confirma 3ª morte de profissional da saúde 

Josielle Ribeiro Santos tinha 37 anos e trabalhava como enfermeira em uma UPA; ela foi infectada pelo coronavírus e ficou internada 21 dias 

Josielle Ribeiro trabalhava na UPA Centro-Sul

Josielle Ribeiro trabalhava na UPA Centro-Sul

Reprodução/Facebook

A Prefeitura de Belo Horizonte confirmou, nesta quarta-feira (12), a terceira morte de um profissional de saúde da rede municipal em decorrência da covid-19 em menos de um mês. 

Segundo o Sindbel (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte), a vítima é a enfermeira Josielle Ribeiro Santos, de 37 anos, que trabalhava na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Centro-Sul, no bairro Santa Efigênia.

Ainda segundo o sindicato, Josielle foi diagnosticada com a covid-19 e ficou 21 dias internada no Hospital São Lucas. 

Leia maisProfissionais da área da saúde temem o novo coronavírus

A Prefeitura de Belo Horizonte informou, por meio de nota, que a profissional prestava serviço na unidade e integrava o quadro de funcionários da Fundep (Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa), que pertence à UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

Ainda segundo a prefeitura, a Secretaria Municipal de Saúde manifestou, através de nota, pesar pelo falecimento de Josielle. Procurada pela reportagem, a Fundep ainda não se manifestou sobre o caso. 

Profissionais mortos

No dia 26 de julho, a capital registrou a primeira morte de um profissional da rede municipal vítima da doença. O técnico em enfermagem Gerônimo Batista Pires trabalhava na UPA Barreiro e morreu após ficar três semanas internado. A vítima teria se infectado durante um plantão onde oite pacientes aguardavam leitos em CTI por 12 horas, segundo denúncia do Sindbel.

Na última sexta-feira (7), morreu o também técnico de enfermagem José Célio da Silva, de 54 anos. Ele trabalhava na farmácia da UPA do Hospital Odilon Behrens, onde foi contaminada. 

*Estagiário do R7 sob supervisão de Lucas Pavanelli