Coronavírus

Minas Gerais Em MG, 1.371 jovens receberam vacina de marcas não indicadas

Em MG, 1.371 jovens receberam vacina de marcas não indicadas

Ministro da Saúde diz que estes adolescentes não devem receber a segunda dose do medicamento contra a covid-19

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Vacina para jovens saudáveis é suspensa

Vacina para jovens saudáveis é suspensa

EFE/EPA/ROBERT GHEMENT

O Ministério da Saúde revelou, nesta quinta-feira (16), que 1.371 adolescentes receberam, em Minas Gerais, doses de vacinas contra a covid-19 de marcas que não são indicadas para a faixa etária.

O problema também foi registrado nos outros Estados brasileiros (veja a tabela abaixo), no momento em que apenas os imunizantes da Pfizer podem ser aplicados em pessoas com idades entre 12 e 17 anos. Em São Paulo, como exemplo, 6.912 jovens foram atendidos com AstraZeneca, CoronaVac ou Janssen.

O Ministério da Saúde não detalhou o que pode ter motivado a troca das marcas. O R7 procurou a SES (Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais) para comentar sobre o problema e aguarda retorno.

Marcelo Queiroga, ministro da Saúde, afirmou que os adolescentes que receberam vacina que não seja da Pfizer não devem receber outra dose de nenhuma marca.

— Eu não vou autorizar a intercambialidade.

Arnaldo Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, detalha que dos 3,5 milhões de adolescentes vacinados no Brasil até o momento, 1.545 tiveram algum efeito adverso. Boa parte deles, segundo o representante do governo, tem relação com a troca dos imunizantes.

— Cerca de 93% destes casos são considerados erros de imunização. Temos um quantitativo muito grande de pessoas vacinadas com imunizantes que não têm indicação em bula para aquela faixa etária.

Suspensão de vacina

Os efeitos adversos levaram o Ministério da Saúde suspender a orientação de vacinação para adolescentes sem comorbidade. Segundo a nova norma técnica da pasta, apenas os jovens com doenças pretéritas, deficiências permanentes e detidos devem ser imunizados, conforme detalha Queiroga.

— Aqueles sem comorbidades, independente da vacina que tomaram, param e não tomam a outra. Até por uma questão de cautela. Já os com comorbidades, que tomaram vacina da Pfizer, devem completar o esquema vacinal.

Veja a lista de doses trocadas para adolescentes por Estado:

Divulgação / Ministério da Saúde

Últimas