Fake news circulam nas redes e desinformam sobre coronavírus

Confira 5 exemplos de conteúdo que circularam nas redes sociais e geraram desinformação; Ministério da Saúde alerta sobre problemas de boatos

Notícia sobre pessoas roubando casas vestidos de agentes de saúde é mentira

Notícia sobre pessoas roubando casas vestidos de agentes de saúde é mentira

Reprodução/Redes sociais

Autoridades e especialistas correram às redes sociais para desmentir boatos e notícias falsas que viralizaram em grupos de Whatsapp em meio à avalanche de informações que circulam sobre a Covid-19 e o novo coronavírus.

Notícias alarmantes como risco de desabastecimento ou golpes praticados por pessoas que se passam por agentes de saúde têm sido replicadas nos meios digitais e geram confusão em meio a uma crise de saúde pública causada pela pandemia. 

Confira 5 fake news sobre o coronavírus:

1 - Desabastecimento em supermercados

Uma postagem com a marca dos Supermercados BH, uma das maiores redes do Brasil, dizia que a última reposição do estoque seria nesta sexta-feira (20), que não havia previsão de reabastecimento e que o supermercado ficaria em quarentena devido à propagação da Covid-19. 

Reprodução/Instagram

É fake. O perfil oficial do Supermercados BH no Instagram divulgou uma nota desmentindo a postagem. "Estamos trabalhando a todo vapor para garantir o pleno funcionamento de nossas lojas. Consulte sempre nossos canais oficiais para esclarecer suas dúvidas". 

2 - Assaltos em casas durante visita de agentes de saúde

Áudios, prints de conversas de Whatsapp e vídeos circulam nas redes sociais informando de pessoas que estariam aproveitando da pandemia para roubar casas. Os relatos dizem que bandidos estariam se disfarçando de agentes de saúde para pedir permissão para entrar nas residências. 

Reprodução/Redes sociais

É fake. Em um áudio que também circula pelas redes sociais, a capitão Layla, da Polícia Militar de Minas Gerais confirmou que "não foi registrado nenhum fato semelhante no nosso estado". 

3 - Higienização com álcool gel interfere no exame de bafômetro

Um vídeo que circula no Facebook mostra um motorista dizendo que higienizar as mãos com álcool gel poderia interferir no teste de etilômetro, que mede a concentração de álcool no sangue. 

Reprodução/Ministério da Saúde

É fake. De acordo com o Ministério da Saúde, passar o produto nas mãos ou mesmo inalar o álcool gel não acarreta em sua absorção na corrente sanguínea, diferentemente do consumo de bebida alcoólica. "A inalação momentânea do álcool em gel após sua utilização pode durar alguns segundos nos pulmões, caso esteja em ambiente fechado, com pouca ventilação. Contudo, é eliminado em menos de dois minutos", informa a pasta. 

4 - Quarentena para viajantes assintomáticos

Uma postagem compartilhada pelo Whatsapp diz que passageiros que estiveram no mesmo voo ou hospedada em um mesmo hotel que uma pessoa diagnosticada com a Covid-19 deveria ficar em quarentena. 

Reprodução/Ministério da Saúde

É fake. O Ministério da Saúde, até o momento, não recomendou que passageiros assintomáticos fiquem em quarentena. No caso de um passageiro que testa positivo para o coronavírus, autoridades sanitárias entram em contato com pessoas que viajaram próximo à cadeira dessa pessoa e eles são monitorados.  

5 - Água quente mata o coronavírus

Um boato que se popularizou nas redes sociais diz que beber água ou chá quente seria o suficiente para matar o coronavírus causador da Covid-19. Segundo a postagem, o vírus não resiste ao calor superior a 26ºC ou 27ºC. 

Reprodução/Ministério da Saúde

É fake. Em primeiro lugar, segundo o Ministério da Saúde, nenhum chá, medicamento, substância ou alimento previne ou combate o novo coronavírus. Outra informação errada é que a temperatura normal do corpo do ser humano é de 36ºC, portanto, beber água ou chá quente não faria a menor diferença nesse caso.