tragédia brumadinho
Minas Gerais Família escapa da tragédia e ajuda vítimas com trabalho voluntário

Família escapa da tragédia e ajuda vítimas com trabalho voluntário

Empresário que escapou de ser atingido pela lama do rompimento da barragem ajuda ponto de apoio para famílias e agentes de segurança

Empresário e família ajudam em ponto de apoio para vizinhos e voluntários

Empresário e família ajudam em ponto de apoio para vizinhos e voluntários

Marcio Neves/R7

A casa no sítio do empresário Mário Lúcio Fontes escapou por pouco de ser atingida pela lama do rompimento da barragem da mina da Vale em Brumadinho (MG) na última sexta-feira (25). Sua mulher, a sogra, a filha e o neto estavam em casa e saíram correndo quando ouviram o barulho, considerado incomparável, da lama descendo e levando casas, pessoas, árvores e veículos.

“Assim que vimos que estava tudo bem com minha família, com nossa casa, nos envolvemos na assistência de quem está mais prejudicado”, disse Lúcio, momentos antes do Corpo de Bombeiros retirar dois restos mortais na área de lama no fundo de seu sítio.

Leia mais: Brasil tem 723 barragens com risco e alto potencial de destruição

Por estar numa parte mais alta do terreno, a casa não foi atingida. No entanto, boa parte da área de lazer e o pomar do sítio da família foi dizimado.  Mesmo assim, ele, a esposa e sua filha, desde sexta, trabalham incansavelmente para ajudar os desabrigados e parentes de vítimas da tragédia de Brumadinho.

Sandra Maria da Costa, sua esposa, diz que logo que viu que não foram afetados, já organizou com outros moradores um grupo de Whatsapp para providenciar abrigo e comida para os vizinhos mais próximos. “Logo a comunidade se organizou e começou a se mobilizar para conseguir dar apoio para quem perdeu mais que nós. Tivemos um livramento, é nosso dever ajudar quem está precisando ”, afirmou Sandra.

Veja mais: Prefeitura de Brumadinho adia início das aulas após tragédia

A filha, Cristina Fontes, trabalha para cadastrar as vítimas, organizar a distribuição dos alimentos — que são preparados na cozinha de uma igreja — e dar apoio para as vítimas. “Estamos tentando, além das doações, dar um apoio emocional, pois estas pessoas estão desestruturadas”, diz ela.

Voluntários preparam refeições para vítimas e agentes de segurança

Voluntários preparam refeições para vítimas e agentes de segurança

Marcio Neves/R7

O Centro Comunitário do parque das Cachoeiras, bairro de Brumadinho onde Mauro e família moram, já começou a receber estruturas contratadas pela Vale para ser um ponto de apoio e suporte para as vítimas do desastre. A empresa disponibilizou uma ambulância e tendas, além de fornecer materiais para que sejam preparadas as refeições.

No local, muitas doações já são separadas e distribuídas, na maioria por voluntários e alguns poucos integrantes da defesa civil e do Corpo de Bombeiros.

Ponto de Apoio também para quem trabalha

Os centros que reunem voluntários em Brumadinho também tem dado apoio para as equipes das forças de segurança que trabalham no resgate e na segurança dos locais afetados pela tragédia.

No Centro Comunitário de Cachoeira, além das vítimas, operários que trabalhavam no preparo da estrutura contratada pela Vale, bombeiros, policiais e funcionários da defesa civil recebem água, lanches e até refeições preparadas pelos voluntários.