Fotógrafo que atropelou e matou mulher estava com CNH vencida

Douglas da Silva Nunes alegou que fugiu do local por medo e negou que estivesse em alta velocidade ou embriagado; caso aconteceu em BH

Homem negou que estava em alta velocidade

Homem negou que estava em alta velocidade

Reprodução / Record TV Minas

A Polícia Civil divulgou, nesta terça-feira (14), que o fotógrafo que atropelou e matou uma mulher de 47 anos em Belo Horizonte no último fim de semana estava com a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) vencida desde o ano passado. 

Ainda segundo a corporação, Douglas da Silva Nunes, de 39 anos, já responde um processo por embriaguez ao volante referente a uma ocorrência de março de 2019.

O homem prestou depoimento nesta manhã, três dias após o acidente e negou que estivesse embriagado ou em alta velocidade. Em conversa com a imprensa, o autor confesso do crime disse que fugiu do local por medo.

— Eu subi a Raja [avenida] e ela abruiu a porta muito rápido. Eu entrei em pânico.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, após o atropelamento, Nunes foi a um bar com um amigo, ficou lá por aproximadamente meia hora, andou mais pela cidade e abandonou o veículo em uma rua do bairro Buritis. O carro foi deixado em frente a uma oficina de lanternagem. Os investigadores suspeitam que o motorista pretendia consertar os estragos nesta segunda-feira (13).

A polícia informou que agora vai recolher imagens de circuito de segurança para analisar se o motorista estava, de fato, em alta velocidade, conforme indicado por testemunhas. Depois de analisar os vídeos, o delegado decidirá se vai indiciar o motorista por homicídio culposo ou doloso.

Acidente

O acidente aconteceu no último sábado (11), na avenida Raja Gabaglia, na altura do bairro São Bento, na região Centro-Sul de Belo Horizonte.

Jerusa Alencar Vieira, de 47 anos, foi atropelada quando descia do veículo. A porta do carro ficou destruída. A gerente de indústria farmacêutica morreu na hora.

Ela estava com o namorado no momento da batida. O companheiro contou que os dois haviam acabado de deixar o filho da vítima em uma festa e estavam na porta do supermercado pra fazer compras.