Funerária recebe 32 mortos por insuficiência respiratória em 72h

Empresa de Belo Horizonte diz que teve aumento nos atendimentos com o diagnóstico, que é uma das complicações causadas pelo coronavírus

Óbitos foram registrados em três dias

Óbitos foram registrados em três dias

Reprodução / Google Maps

Uma funerária de Belo Horizonte recebeu, em 72 horas, 32 corpos com atestado de óbito indicando quadros de insuficiência respiratória, que é uma das complicações causadas pelo coronavírus.

O governo de Minas, no entanto, não confirma nenhuma morte provocada pela covid-19 no Estado até o momento.

Sérgio José da Silva, gerente da unidade, explicou ao R7 que os 32 analisados por ele ocorreram entre a última quinta-feira (19) e este domingo (22) em cidades da região metropolitana. O gestor afirmou, ainda, que nenhum destes laudos aponta para caso suspeito de contaminação pelo vírus.

— A gente que está no ramo há muito tempo fica preocupado com a situação devido aos casos de coronavírus.

A empresa atendeu, neste domingo (22), o primeiro óbito que pode ter sido provocado pela doença. Segundo Silva, o laudo médico aponta para causa de morte desconhecida, mas com investigação para o coronavírus. Trata-se de um morador de Betim, na Grande BH, de 40 anos. Procurada, a Secretaria Municipal de Saúde da cidade confirmou que analisa o caso.

Segundo o último levantamento da SES (Secretaria de Estado de Saúde), divulgado neste domingo, 83 pessoas estão contaminadas com a doença em Minas.

Boletim de ocorrência

A PM (Polícia Militar) esteve na funerária onde Silva trabalha, na noite deste domingo (22), após receber uma denúncia anômina de aglomeração de pessoas em local com possíveis casos de coronavírus.

Leia também: Veja como saber se está com coronavírus

O gerente esclareceu aos militares que a empresa atendeu apenas um caso suspeito do vírus e que o corpo foi direto para o cemitério. Silva afirmou, ainda, que está adotando as medidas necessárias para proteção dos funcionários com a distribuição de equipamentos de proteção e liberação dos colaboradores com mais de 60 anos e grávidas.