Governo calcula que casos de covid podem ser 10 vezes maiores em MG

Representante da Secretaria de Estado de Saúde defende que é "natural supor algum grau de subnotificação" para qualquer tipo de doença

Governo considera outros dados para projeções

Governo considera outros dados para projeções

EFE/EPA/NEIL HALL

A SES (Secretaria de Saúde de Minas Gerais) calcula que o número real de casos de covid-19 no Estado pode ser até 10 vezes maior. Assim, o total de mineiros contaminados estaria próximo de 75.160.

A informação foi divulgada pelo subsecretário de vigilância em saúde, Dario Ramalho, durante entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (26).

Ao apresentar o dado, Ramalho destacou que isto não é um fenômeno exclusivo para a pandemia do novo coronavírus.

— Dentro de uma lógica de vigilância é natural supor que tenha algum grau de subnotificação. Isso para qualquer patologia, a qualquer momento. Em especial ao caso da covid, que é uma doença que transmite de forma assintomática, é muito natural supor uma taxa maior.

Além disto, o especialista destaca que os casos mais leves ou até sem sintomas não são testados no Estado. Desde o início da pandemia, Minas priorizou a realização de exames em pacientes graves ou que morrem, segundo a SES, devido à falta de material clínico.

A Ufpel (Universidade Federal de Pelotas) divulgou um estudo em parceria com o Ministério da Saúde, nesta segunda-feira (26), indicando que no Brasil, o número de casos reais pode ser até sete vezes maior.

Projeções

Apesar de estimar que a cada pessoa com diagnóstico positivo há 10 contaminados sem realização de teste, o secretário de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, garante que a doença está controlada em Minas Gerais.

— Há hospitais perguntando se podem voltar com as cirurgias eletivas, pois estão com muitos leitos ociosos. Isso é uma informação, ainda que indireta, de que efetivamente não estamos tendo um excesso de casos de covid com excesso de demanda hospitalar.

O último balanço divulgado pela SES, nesta terça-feira (26), aponta que o Estado registra 234 mortes pela doença e 7.516 pessoas contaminadas. Ainda segundo o órgão, 3.655 infectados foram curados.