Queda de barragem em minas
Minas Gerais Governo de Minas suspende atividades da Samarco em Mariana

Governo de Minas suspende atividades da Samarco em Mariana

Mineradora é responsável pelas barragens que cederam e mataram pelo menos duas pessoas

Governo de Minas suspende atividades da Samarco em Mariana

Distrito de Bento Rodrigues foi o mais atingido pelos rejeitos

Distrito de Bento Rodrigues foi o mais atingido pelos rejeitos

Antônio Cruz / Agência Brasil

A Samarco, empresa da Vale responsável pelas duas represas que se romperam em Mariana, na região central de Minas Gerais, teve as atividades suspensas pelo Governo do Estado. A tragédia matou pelo menos duas pessoas e destruiu o distrito de Bento Rodrigues. Outras 26 estão desaparecidas.

Segundo a Semad (Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável), o embargo ocorreu na última sexta-feira (6). Conforme o órgão, "há uma previsão legal, que permite a suspensão emergencial das atividades, para apurar as causas e as consequências do evento para a saúde da população e para o meio ambiente".

Segundo o subsecretário de Estado de Regularização Ambiental, Geraldo Abreu, "é preciso realizar as correções necessárias para que o funcionamento da mina seja retomado".

Leia mais notícias de Minas Gerais no Portal R7

Experimente grátis: todos os programas da Record na íntegra no R7 Play

A empresa só poderá retomar as atividades após a apuração e a adoção de medidas de reparo dos danos provocados.

Procurada pela reportagem do R7, a Samarco informou às 19h30 que "até o momento não foi comunicada sobre qualquer decisão neste sentido pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente". A empresa confirmou que com o a interrupção das atividades precisará dar licença remunerada para 85% dos funcionários das plantas de Germano (Mariana) e Ubu (ES) a partir de terça-feira (10). Somente os funcionários que trabalham no plano de emergência manterão as atividades. 

A enchente de rejeitos das barragens da Samarco percorreu 460 km em quatro dias e já está na divisa entre Minas e Espírito Santo na tarde desta segunda-feira (9). O CPRM (Serviço Geológico Nacional) aponta em boletim divulgado às 14h que a lama já começou a passar por Resplendor, no Vale do Rio Doce, enquanto os detritos mais consistentes ainda atravessam Governador Valadares, cerca 130 km antes.

O Corpo de Bombeiros confirma três mortes em decorrência do rompimento das barragens: Valdemir Aparecido Leandro, de 48 anos, encontrado a 100 km de distância, Sileno Narkievicius de Lima, soterrado na barragem, e Cláudio Fiúza, 40 anos, que morreu de infarto ao testemunhar o estouro das estruturas. 

Os bombeiros já resgataram mais um corpo rio Doce que ainda não foi identificado. 

    Access log