Governo mineiro fará chover em região castigada pela estiagem 

Estratégia será usada por quatro meses

Estiagem castiga barragem de Juramento

Estiagem castiga barragem de Juramento

Copasa / Divulgação

Numa ação inédita em Minas, o Estado decidiu recorrer à tecnologia para fazer chover na região Norte, uma das áreas mais castigadas pela estiagem no Brasil. A partir deste mês, a Copasa, estatal responsável pelo abastecimento de água e saneamento, implantará uma tecnologia para induzir chuvas na Barragem de Juramento, no município homônimo e que pertence ao sistema que abastece Montes Claros.

O maior município do Norte de Minas tem pouco mais de 382 mil habitantes e consome, em média, 885 litros por segundo. Segundo a Copasa, na prática, a estratégia consiste no lançamento de gotículas diretamente nas nuvens por meio de um avião, tipo cumulus. Desta forma, há indução de precipitação.

O serviço será feit o por uma empresa que venceu licitação e receberá quase R$ 1,3 milhão. Em nota, a estatal esclareceu parte do processo:

— As gotículas lançadas no interior da nuvem ganham volume porque fundem-se com as gotículas já presentes na mesma nuvem, resultado do processo natural de evaporação. Assim, as gotículas ganham massa suficiente até formarem gotas de chuva. A tecnologia que será empregada não usa nenhum tipo de aglutinante químico. O processo é inteiramente físico, como ocorre no desenvolvimento natural da nuvem.

A intenção é aumentar os índices pluviométricos na bacia hidrográfica do reservatório. Há expectativa de que ocorra, ainda, melhorias na umidade no solo e na vegetação, o que favorece os processos de evaporação.

Em outras palavras, contribui para o surgimento de mais nuvens e, desta vez, possibilidade de chuvas naturais.