tragédia brumadinho
Minas Gerais Justiça ouve 25 testemunhas em processo contra a Vale

Justiça ouve 25 testemunhas em processo contra a Vale

Em audiência, serão ouvidas vítimas da tragédia e outras pessoas para falar sobre danos pessoais e ambientais no rompimento da barragem 

Primeira audiência para ouvir vítimas do rompimento aconteceu em julho

Primeira audiência para ouvir vítimas do rompimento aconteceu em julho

Divulgação/TJMG

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais vai ouvir entre esta segunda (5) e terça-feira (6) mais 25 testemunhas no processo que apura os danos causados pela Vale no rompimento da barragem da mina Córrego do Feijão, em Brumadinho. A tragédia ocorreu em 25 de janeiro deste ano e deixou 270 vítimas, entre mortos identificados e desaparecidos. 

Na segunda-feira, 10 testemunhas escolhidas pela Defensoria Pública vão prestar depoimentos ao juiz Elton Nogueira Pupo, da 6ª Vara da Fazenda Pública e Autarquias de Belo Horizonte.

No dia seguinte, mais 15 pessoas escolhidas pelo Ministério Público serão ouvidas para falar, especificamente, sobre os danos urbanísticos, ao meio ambiente, à flora e ao patrimônio cultural da região.

Veja também: Justiça condena Vale pela 1ª vez por tragédia em Brumadinho

Justiça

Essa é a segunda rodada de audiências que ouve testemunhas do desastre. A primeira aconteceu em 9 de julho, quando 10 pessoas, entre produtores rurais, comerciantes, quilombolas, pescadores e microempreendedores, foram recebidas pela Justiça. Os nomes foram escolhidos pela Defensoria Pública. 

Na primeira audiência, as vítimas se emocionaram ao relembrar a tragédia, que matou parentes, vizinhos e amigos e, para muitos, resultou na destruição de suas casas, propriedades e até mesmo na fonte de renda.

A fase de instrução e julgamento começou depois de a Justiça realizar 11 audiências de conciliação ao longo do ano e condenar a Vale a reparar todos os danos causados pelo rompimento da barragem