tragédia brumadinho
Minas Gerais Laudo da Polícia Civil não revela o que causou liquefação em barragem

Laudo da Polícia Civil não revela o que causou liquefação em barragem

Documento de 143 páginas aponta que barragem se rompeu devido ao fenômeno da liquefação, quando rejeito entra em contato com água

Rompimento da barragem deixou rastro de lama

Rompimento da barragem deixou rastro de lama

Márcio Neves / R7

O laudo da Polícia Civil de Minas Gerais que avalia as causas do rompimento da barragem de Brumadinho, em janeiro deste ano, aponta que a estrutura se rompeu por causa do efeito da liquefação.

Isso acontece quando os rejeitos sólidos gerados a partir da exploração do minério de ferro entram em contato com a água e a mistura se torna uma lama espessa e pesada. Em 25 de janeiro deste ano, a estrutura da barragem não suportou o peso de todo esse material. Em barragens, isso pode acontecer devido ao excesso de chuvas, tremores de terra ou problemas na drenagem.

Na reta da lama, 270 pessoas perderam a vida, dois povoados foram destruídos, além de uma área de mata, uma pousada e dezenas de casas de moradores, um refeitório e parte do setor administrativo da Vale na mina Córrego do Feijão. 

O laudo tem 143 páginas e conclui que o rompimento da barragem começou na horizontal e na parte central do reservatório e que foi ocasionado por causa da liquefação. No entanto, a pergunta que a investigação dos peritos da Polícia Civil não responde é: o que provocou a liquefação da barragem? 

Mesmo assim, o documento foi anexado ao inquérito policial de quase seis mil páginas. Agora, o Ministério Público de Minas Gerais vai usar a conclusão dos peritos e outras provas para entrar na Justiça contra a mineradora, de acordo com o Procurador-Geral de Justiça, Antônio Sérgio Tonet.

— Nós pretendemos terminar os trabalhos o mais rápido possível e, em dezembro, devemos ter condições de apresentar uma denúncia criminal à Justiça.