Novo Coronavírus

Minas Gerais MG bate recorde de confirmação de mortes por covid pelo 2º dia seguido

MG bate recorde de confirmação de mortes por covid pelo 2º dia seguido

Ontem a Secretaria de Saúde alegou que a alta nos número se devia à troca do sistema de contagem; doença está presente em 95% do território mineiro

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Minas tem mais de 139 mil infectados

Minas tem mais de 139 mil infectados

Carlos Barba / EFE - Arquivo

Minas Gerais bateu, nesta quarta-feira (5), pelo segundo dia seguido, o recorde de confirmações de mortes provocadas pelo novo coronavírus.

Foram 152 óbitos incluídos no boletim do governo de ontem para hoje, totalizando 3.195 pessoas mortas por complicações causadas pela covid-19.

O maior volume confirmado em um mesmo dia era o registrado nesta terça-feira (4), quando 149 nomes foram incluídos na lista de vítimas. A SES (Secretaria e Estado de Saúde) havia alegado que a alta de casos ontem aconteceu em função de uma mudança no sistema de contagem. A pasta ainda não se manifestou sobre os números de hoje.

Embora as 152 mortes tenham entrado no boletim desta quarta-feira, isto não significa que elas ocorream nas últimas 24 horas.

Ainda não é possível saber a data dos óbitos, uma vez que o Governo de Minas suspendeu a divulgação dos detalhes dos casos nesta semana devido para uma atualização no sistema. A expectativa é que as informações voltem a ser divulgadas na próxima segunda-feira (10).

Balanço

O novo balanço da Secretaria de Estado de Saúde também aponta que o número de infectados cresceu, passando de 135.728 para 139.661, um acréscimo de 3.933 casos.

A maior parte dos infectados (53%) é de homens e a média de idade dos doentes é de 43 anos. A covid-19 já está presente ao 815 cidades mineiras, o que representa 95% dos municípios do Estado.

Atualmente 108.364 pessoas que tiveram o diagnóstico positivo para o coronavírus em Minas já são consideradas curadas. O número, no entanto, pode ser maior, já que os testes da rede pública estão sendo feitos apenas nos casos graves, moradores de asilos, detentos e os profissionais da Saúde ou da Segurança Pública.

Últimas