Novo Coronavírus

Minas Gerais MG planeja ajudar hospitais filantrópicos com remédios

MG planeja ajudar hospitais filantrópicos com remédios

Secretaria de Saúde organiza um estoque emergencial de medicamentos para evitar desabastecimento nas unidades parceiras da rede pública

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Hospitais temem falta de medicamentos

Hospitais temem falta de medicamentos

Reprodução / Pixabay

O Governo de Minas Gerais planeja ajudar hospitais filantrópicos que atendem pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) no Estado com o fornecimento de medicamentos para evitar um desabastecimento durante a pandemia de covid-19.

A falta de remédios, causada pelo aumento de atendimentos e dificuldades para encontrar os produtos no mercado, tem sido um dos reflexos da pandemia no sistema de saúde.

Durante coletiva na tarde desta quarta-feira (29), o secretário de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, destacou que a ajuda será limitada, já que os hospitais filantrópicos, que são particulares, já recebem repasses do governo para atender os pacientes da rede pública.

— Um ou outro prestador pode ter dificuldade [na compra de medicamentos]. Então vamos tentar ter um pequeno estoque regulador, que não tem como ser para todos, até mesmo porque o eles devem comprar diretamente dos distribuidores.

Segundo Amaral, Minas Gerais deve receber medicamentos do Ministério da Saúde nas próximas semanas. Parte deles será usada para montar o estoque emergencial.

O chefe da Secretaria de Saúde destaca, ainda, que as unidades públicas administradas pelo Governo do Estado, sob administração da Fhemig (Fundação Hospitalar de Minas Gerais), não correm risco de desabastecimento.

Amaral ainda pondera que embora haja o risco da falta de medicamentos em hospitais parceiros, a tendência percebida pelo governo é de normalização.

— A grande maioria dos prestadores já estão conseguindo receber medicamentos. Alguns, inclusive, já estão pedindo para retornar com as cirurgias eletivas porque estão com estoque abastecido para mais tempo.

Veja a íntegra da coletiva:

Últimas