Minas Gerais Militar do exército atira em lavador de carros após briga em BH

Militar do exército atira em lavador de carros após briga em BH

Oficial disse que se defendeu ao ser atingido com um rodo de madeira; flanelinha e testemunhas confirmaram versão, diz PM

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Limpeza de para-brisa teria motivado briga

Limpeza de para-brisa teria motivado briga

Reprodução / Google Street View

Um militar do Exército, de 45 anos,  atirou contra um lavador de carros de 28 anos após uma briga no cruzamento das avenidas José Cleto e Bernardo Vasconcelos, no bairro Ipiranga, na região Nordeste de Belo Horizonte, nesta quinta-feira (10).

De acordo com o boletim de ocorrência, a confusão aconteceu após uma discussão dos dois no local.

Testesmunhas contaram que o flanelinha queria lavar o para-brisa do carro do militar e teria jogado água sem autorização do dono do veículo. Em seguida, os dois teriam brigado já que o agente não queria pagar pela limpeza dos vidros.

O registro da PM (Polícia Militar) indica que, neste momento, o lavador atingiu a cabeça do motorista com um cabo de rodo. Em seguida, o oficial do exército teria sacado a arma e atirado contra o jovem, atingindo sua panturrilha.

O militar não estava mais no local quando os policiais chegaram. O ferido confirmou a versão aos PMs e foi encaminhado para o Hospital João 23, na região Central de BH.

O suposto atirador foi localizado e encaminhado à Polícia Civil. A reportagem procuro a corporação para saber se o homem ficou preso, mas não teve retorno. A arma encontrada com ele foi apreendida.

Ainda de acordo com PM, o suspeito também confirmou a versão apresentada pelas testemunhas e explicou que "não restou outra alternativa" a não ser sacar a arma e atirar, já que estaria com a saúde debilitada em função de uma cirurgia na coluna.

Procurado pela reportagem, o Exército informou que "está apurando os fatos para tomar todas as medidas necessárias". "Todas as informações serão checadas e devidamente tratadas com a responsabilidade e seriedade que a situação exige", concluiu a instituição.

A reportagem tenta contato com os envolvidos na ocorrência.

Últimas