Morre 11ª vítima de ataque em creche de Janaúba (MG)

Geni era auxiliar de professora e estava internada em BH

O Hospital João XXIII, em Belo Horizonte, comunicou a morte da paciente Geni Oliveira Lopes Martins, de 63 anos, a 11ª vítima do ataque à creche Gente Inocente, em Janaúba, região Norte de Minas Gerais, no dia 5 de outubro.

Geni era auxiliar de professora e estava internada em Belo Horizonte desde a tragédia causada por Damião Soares Souza, vigia da creche. Ela sofreu queimaduras em 60% do corpo. Com mais esta morte, o ataque já soma doze pessoas, sendo nove crianças, uma professora e o próprio agressor.

Quatro pessoas continuam internadas no hospital João XXIII, em Belo Horizonte: uma mulher e uma crinaça, ambas em estado grave, mas estável; e duas crianças em situação estável.

Já na Santa Casa Montes Claros, em Montes Claros, cidade-polo no norte de Minas, dois garotos, de 4 e 5 anos, e uma jovem, de 23 anos, continuam internados em estado estável. Uma funcionária da creche, de 51 anos, recebeu alta da unidade na última sexta-feira (3)

Entenda o caso

Damião entrou na creche, reuniu as crianças, espalhou álcool e ateou fogo em tudo. Mais de 40 pessoas ficaram feridas no incêndio provocado pelo vigia.

Segundo testemunhas, o vigia noturno e vendedor de sorvetes Damião Soares Santos, de 50 anos, teria abraçado as crianças com o corpo em chamas, dentro do Centro Municipal de Educação Infantil Gente Inocente. Segundo a Polícia Civil, Santos sofria com problemas mentais como delírios. Apesar disso, o crime teria sido premeditado e não teve relação com a doença.

No dia 5 de outubro, morreram o vigia Damião, a professora Heley Batista e as crianças: Ana Clara, Cecília, Juan Pablo, Luiz Davi, Renan Nicolas, Ruan Miguel e Yasmin, todas com quatro anos de idade. No dia 7 de outubro, morreu a Talita, de quatro anos. Dois dias depois (9/5), morreu o garoto Matheus de cinco anos. A auxíliar de professora Geni morreu na madrugada desta segunda-feira 6/11), após um mês de internação.