MP pede que bares e shoppings sejam fechados em Sete Lagoas

Ministério Público entrou com ação para que a cidade só permite a abertura do comércio essencial; prefeitura ampliou flexibilização na última sexta (8)

Sete Lagoas tem 11 casos confirmados da covid-19

Sete Lagoas tem 11 casos confirmados da covid-19

Luiz Claudio Alvarenga/Prefeitura de Sete Lagoas

O Ministério Público entrou com uma ação na Justiça para que a Prefeitura de Sete Lagoas, a 70km de Belo Horizonte, seja obrigada a fechar parte do comércio não essencial na cidade.

De acordo com a SES-MG (Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais) Sete Lagoas registrou até o momento, 11 casos confirmados por covid-19 e outros quatro em acompanhamento. Uma pessoa morreu por causa da doença no município. 

Prefeito de Sete Lagoas (MG) é internado com coronavírus

A flexibilização do isolamento social no município começou em 29 de abril e, na última sexta-feira (8), a prefeitura ampliou a reabertura do comércio, autorizando o retorno das atividades em bares, restaurantes e até shoppings centers.

Caso a Justiça acate o pedido do MP, o prefeito Duílio de Castro (Patriotas) deverá revogar o decreto e permitir a abertura apenas do comércio essencial.  

Flexibilização

De acordo com o decreto, que ainda está em vigor, estabelecimentos híbridos, como bares e restaurantes poderão manter em funcionamento as atividades relacionadas à alimentação, vetando o entretenimento nesses locais. A capacidade de ocupação também deve ser reduzida pela metade.

Lojas em shoppings centers também poderão abrir, entre 14h e 20h, mas não podem realizar atividades promocionais, de lazer ou entretenimento.

O texto também prevê que os clientes tenham a temperatura aferida na portaria dos estabelecimentos e que o acesso seja vetado a quem estiver com mais de 37,5ºC de febre.