Minas Gerais Mulher é morta na porta de casa por suposto usuário de drogas

Mulher é morta na porta de casa por suposto usuário de drogas

Kellen Soares, de 32 anos, conversava com amigas em Lagoa Santa (MG) quando foi morta a tiros; suspeito foi interrogado e liberado

  • Minas Gerais | Vinícius Araújo, da Record TV Minas

Uma mulher foi morta na porta de casa em Lagoa Santa, na região metropolitana de Belo Horizonte, na noite de segunda-feira (4). O suspeito estaria tentando comprar drogas na região.

Kellen Soares de Almeida, de 32 anos, conversava com a mãe e duas amigas quando um homem saiu de um carro e foi em direção ao grupo. A mãe da vítima, Solange Soares, conta que o suspeito perguntou se elas sabiam de algum lugar onde se vendia maconha.

— Ele perguntou onde vendia “chá” e ela respondeu de forma irônica, dizendo que o sacolão vendia chá mate e de camomila.

A resposta teria desagradado o suspeito. De acordo com testemunhas, o homem olhou em volta para conferir se havia alguma câmera de segurança no local. Na sequência, tirou uma arma da cintura e disparou diversas vezes. A mãe de Kellen conta que filha tentou fugir, mas foi perseguida pelo suspeito.

Kellen tinha 32 anos e era mãe de um menino

Kellen tinha 32 anos e era mãe de um menino

Reprodução / Record TV Minas

— Ela tentou correr para dentro de casa e ele veio atrás dela. Fez outros disparos enquanto ela estava caída. Foram 4 ou 5 tiros. Eu ainda segurei o braço dele e pedi para parar.

Depois dos disparos, o suspeito entrou no carro e fugiu. O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi acionado, mas a vítima morreu antes da chegada dos socorristas.

Veja: Candidata a vereadora é morta com nove tiros na porta de casa em MG

Brigas e ameaças

Os familiares de Kellen alegam que o suspeito é um homem que teria tentado abusar sexualmente da jovem há cerca de um ano, enquanto dava uma carona para a vítima. Há menos de um mês, os dois teriam se reencontrado em um bar e discutido. A mãe da vítima alega que Kellen foi ameaçada por ele.

— Ela passou pela mesa dele e foi chamada de “vagabunda”. Ele empurrou a Kellen e, depois, ela quebrou duas garrafas de cerveja na cabeça dele. Foi aí que o ódio dele começou.

A Polícia Militar localizou o suspeito, que foi liberado após prestar depoimento e negar qualquer envolvimento com o homicídio. A Polícia Civil informou que investiga o crime. Emocionada, a mãe de Kellen disse que vai buscar justiça.

— Eu espero que a Justiça seja feita, porque é mais uma família que foi arrebentada, destroçada. Eu não vou deixar isso ficar assim. Ele destruiu a vida do meu neto. Acabou com a minha família.

Últimas