Mulher que gravou vídeo com fake news sobre covid em BH é indiciada

Valdete Zanco disse que caixões estavam sendo enterrados com pedras em vez de vítimas de covid em BH e pegar mais de 8 anos de prisão

Uma mulher que divulgou um vídeo nas redes sociais em que dizia que a Prefeitura de Belo Horizonte estaria enterrando caixões com paus e pedras em vez de vítimas da covid-19 foi indiciada pela Polícia Civil de Minas Gerais.

Valdete Zanco, a autora da "fake news", pode pegar de 2 a 8 anos de prisão pelos crimes de denunciação caluniosa e de 15 dias a 6 meses de reclusão por contravenção penal de provocação de pânico ou tumulto. 

A Policia Civil concluiu o inquérito sobre o caso após três meses e meio de investigações. 

Relembre o caso

Valdete gravou vídeo dentro de loja de roupas

Valdete gravou vídeo dentro de loja de roupas

Reprodução / Redes sociais

No fim de abril, um vídeo viralizou nas redes sociais em que a mulher relatava que caixões estariam sendo enterrados com pedras e paus no lugar de vítimas da covid-19,

As imagens foram filmadas dentro de uma loja de roupas no Sul de Minas. A mulher começa o vídeo se referindo a uma pessoa chamada  “Fernandes” e afirma que vai contar uma “última notícia”. Na sequência, a suspeita relata que a capital mineira estaria “infestada” de casos de coronavírus e que as próprias famílias estão enterrando os corpos.

“Mandaram ir lá e arrancar todos os caixões para fazer o exame para ver se é coronavírus mesmo. Sabe o que tem no caixão? Pedra e madeira. Um monte de caixão cheio de pedra e madeira. Palhaçada, não?” (sic), disse a mulher no vídeo. 

Valdete se apresentou no dia 6 de maio à delegacia de Polícia Civil de Jacutinga, a cerca de 400 km de Belo Horizonte, um dia depois da abertura de inquérito sobre o caso. 

Na ocasião, ela gravou um outro vídeo pedindo desculpas sobre o episódio e dizendo que gravou o relato apenas para um grupo de família no Whatsapp. 

— Pedir desculpas, perdir perdão para o prefeito de BH, para o governador, o Estado de Minas Gerais e todas as famílias que se sentiram entristecidas com aquilo. Quero aqui diante de todo, pedir desculpa, perdão, não era a minha intenção. Eu não propaguei.