Minas Gerais Mulher se entrega à polícia e confessa ter matado marido 

Mulher se entrega à polícia e confessa ter matado marido 

Suspeita enviou áudio para a advogada relatando ter sido estuprada; defesa afirma que vítima seria alvo de medida protetiva

Uma mulher se entregou à Polícia Civil e confessou ter assassinado o marido com golpes de faca e marreta em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte. A suspeita alega que era vítima de violência doméstica.

Bruno Siuves Ferreira, de 39 anos, morava há cerca de quatro anos com Thaís Cristina, de 41. Aos militares, a suspeita informou que, durante o final de semana, teria sido agredida e estuprada pelo companheiro. Thaís teria esperado Ferreira dormir para assassiná-lo com golpes de faca e marreta. A mulher fugiu para a casa de parentes, deixando o corpo no apartamento em que vivia com a vítima, no bairro Conjunto Cristina.

Veja: Homem é queimado vivo pela esposa e o amante dela em MG

Em uma mensagem de áudio enviada para a advogada durante o final de semana, Thaís confessa ter assassinado o marido. Ela relata ter sido agredida e ameaçada várias vezes por Ferreira.

Corpo foi encontrado dois dias depois

Corpo foi encontrado dois dias depois

Reprodução / Record TV Minas

— Sábado eu acabei matando meu esposo porque ele estava me ameaçando, falando que ia me matar. Ele disse que ia sair do flagrante e que a lei Maria da Penha não dava em nada. Ele tava dormindo, eu fui e dei umas marretadas e facadas nele. Agora eu quero me entregar.

Na tarde desta segunda-feira (30), Thaís decidiu se apresentar em uma delegacia do bairro Planalto, na região Noroeste de Belo Horizonte, e confessar o crime. Segundo a advogada da suspeita, Lilian Daniele, Thaís vivia em uma “situação de muito terror”.

— Ela sofria tortura psicológica, estupro, era privada do convívio com a família. Não tinha sequer contato com os filhos dela. Ele (Ferreira) o mantinha em cárcere privado.

A defesa afirma que Thaís tinha uma medida protetiva contra o companheiro. O caso será investigado pela Delegacia de Homicídios de Santa Luzia.

Últimas