Minas Gerais Número de atendimentos do Samu em BH superam o do pico de julho

Número de atendimentos do Samu em BH superam o do pico de julho

Na última semana, foram registrados 763 atendimentos a pessoas com suspeita de covid; em julho, teto foi de 740 atendimentos

Atendimentos do Samu em março superaram piores números da pandemia até agora

Atendimentos do Samu em março superaram piores números da pandemia até agora

Marcus Ferreira/Agência Minas

O número de atendimentos a pacientes com covid-19 ou suspeita da doença pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) em Belo Horizonte, nesta última semana, superou o do pico da pandemia em julho.

Dados do boletim epidemiológico divulgado pela secretaria municipal de saúde contabilizam, na semana dos dias 11 a 19 de março, 763 atendimentos. Esse número é 13% maior que o da semana anterior, entre os dias 7 e 13 de março, quando a prefeitura registrou 673 atendimentos. 

O número da semana passada também é maior que o registrado no pico da pandemia. Entre 12 e 18 de julho, o Samu atendeu a 740 pessoas com suspeita de covid-19, na capital mineira. Esse foi o maior número registrado até então. 

Atendimento hospitalar

O número de atendimentos a casos suspeitos de covid-19 na rede SUS em Belo Horizonte também segue aumentando. A semana de 11 a 19 de março registrou 14.752 atendimentos, número 10% maior que o registrado no mesmo período do ano passado, quando 13.400 pessoas com suspeita de covid-19 procuraram alguma unidade da rede pública de saúde. 

100% de ocupação

A taxa média de ocupação dos leitos intensivos para pacientes com covid-19 em Belo Horizonte alcançou, nesta sexta-feira (19), a marca de 100% pela primeira vez desde o início da pandemia. O número é calculado a partir da soma dos leitos das redes pública e privada.

O índice passou de 96,6% para 100,8%, com o aumento da ocupação de leitos particulares, que subiu de 109,6% para 114,4%.

Apesar do índice geral indicar a falta de leitos, ainda existem 45 quartos de UTI disponíveis na capital, todos na rede pública. A taxa só está em 100% porque a prefeitura calcula um valor médio entre o Sus (Sistema Único de Saúde) e a rede privada.

Últimas