Minas Gerais OAB pede domiciliar para advogados suspeitos de fraudes em presídios

OAB pede domiciliar para advogados suspeitos de fraudes em presídios

Grupo de profissionais do direito foi preso por participação em um suposto esquema de venda de regalias em penitenciárias de Minas Gerais

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Ex-diretor de presídio em Contagem (MG) é um dos presos

Ex-diretor de presídio em Contagem (MG) é um dos presos

Record TV Minas

A OAB-MG (Ordem dos Advogados do Brasil em Minas Gerais) enviou à Justiça, nesta sexta-feira (9), um pedido de habeas corpus pedindo que os advogados presos suspeitos de participarem de um esquema de venda de regalias em presídios mineiros sejam enviados para prisão domiciliar.

Segundo a instituição, a mudança de regime deve acontecer “em decorrência da comprovação da inexistência de Sala de Estado Maior no Estado de Minas Gerais, garantida aos advogados presos antes do trânsito em julgado, também em homenagem ao princípio da presunção de inocência”.

A OAB pediu para que a solicitação seja analisada em caráter liminar, ou seja, de urgência.

O esquema

O ex-diretor da Penitenciária Nelson Hungria, localizada em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, Rodrigo Malaquias, foi preso, na manhã desta quinta-feira (8), suspeito de ser líder de um esquema de corrupção em presídios de Minas Gerais. Um delegado da Polícia Civil, quatro agentes penitenciários e um grupo de advogados também foram presos por possível participação no esquema.

De acordo com as investigações, um grupo criminoso negociava a venda de vagas em unidades prisionais do Estado, além de regalias como entrada de objetos não permitidos, como celulares e drogas.

Últimas