Minas Gerais Ônibus é queimado em Vespasiano e suspeitos deixam bilhete

Ônibus é queimado em Vespasiano e suspeitos deixam bilhete

Desde o dia 3 de junho, a polícia já registrou 67 ataques a coletivos em Minas Gerais; 166 pessoas foram detidas

Chamas destruíram a rede elétrica

Chamas destruíram a rede elétrica

Reprodução / RecordTV Minas

Mais um ônibus foi incendiado na Grande BH. Dessa vez, o ataque foi a um coletivo da linha 5630 (Jardim Bela Vista/ Terminal Morro Alto), na noite dessa terça-feira (12), em Vespasiano. Segundo a polícia, seis adolescentes renderam passageiros e motorista, atearam fogo no veículo e deixaram uma carta reclamando das condições em um presídio da região metropolitana.

O ataque aconteceu no bairro Novo Horizonte. O coletivo estava na última viagem da noite e seguia para estação, quando o motorista foi surpreendido pelos criminosos. Os suspeitos pediram para passageiros descerem do ônibus, enquanto comparsas entraram no veículo com galões de combustível. Após todas as pessoas saírem, eles atearam fogo.

Segundo a polícia, pelo menos seis rapazes participaram do ataque. Eles deixaram um recado com o motorista e fizeram ameaças. Na mensagem, eles reclamam de maus-tratos na penitenciária São Joaquim de Bicas 2, na Grande BH.

Em poucos minutos, o veículo foi consumido pelas chamas. A rede elétrica também foi atingida e o transformador explodiu deixando todo o bairro sem luz. Durante as explosões, alguns moradores se assustaram e passaram mal. Um homem que tem epilepsia teve que ser socorrido pelos bombeiros. Uma outra moradora da região caiu da escada.

Ataques

Desde o dia 3 de junho, uma série de ataques criminosos é registrada por toda Minas Gerais. Ônibus, agências bancárias, uma delegacia e uma unidade de apoio da PM (Polícia Militar) foram incendiados. Segundo o último balanço da polícia, foram 94 ataques, sendo 67 deles a coletivos.

Segundo o Governo de Minas, as ações têm ligação com uma facção criminosa de atuação nacional, mas detalhes da investigação não foram divulgados. Até o momento, 116 pessoas foram detidas em 40 cidades.

    Access log