Minas Gerais Parte de barco em Pirapora (MG) é submersa durante retirada de rio

Parte de barco em Pirapora (MG) é submersa durante retirada de rio

Embarcação histórica, conhecida como Benjamin Guimarães, foi construída em 1913 e é considerada patrimônio histórico de MG; barco será reformado

Embarcação passará por processo de restauração

Embarcação passará por processo de restauração

Reprodução/RecordTVMinas

A parte traseira do barco a vapor Beijamin Guimarães ficou submersa durante a retirada da embarcação do Rio São Francisco, na cidade de Pirapora, a 384 km de Belo Horizonte, neste domingo (8). O barco passará por um processo de restauração. 

De acordo com responsáveis pela operação, o alagamento era previsível e não houve dano material. A situação preocupou algumas pessoas que acompanhavam a ação.

Para içar a estrutura foram utilizadas boias do tipo rolete. A embarcação, construída em 1913, é patrimônio cultural de Minas Gerais e passará por um processo de restauração pela empresa Industria Naval Catarinense, de Santa Catarina. 

A previsão é que sejam feitas trocas do casco, das estruturas em madeira e de instalações elétricas e hidráulicas. A recuperação deve custar R$ 3,7 milhões.

De acordo com o Iepha (Instituto Estadual do Patromônio Histórico e Artístico), a previsão é que o trabalho seja realizado no prazo de seis a oito meses. 

Beijamin Guimarães

O vapor Beijamin Guimarães foi construído em 1913 pelo estalerio norte-americano James Rees e Sons e navegou no Rio Amazonas, no estado do Amazonas, no Norte do país, por alguns anos e foi transferido para o Rio São Francisco a partir de 1920.

A embarcação tem capacidade para 140 pessoas, entre tripulantes e passageiros. Atualmente, o barco transporta turistas pelo Rio São Francisco, na cidade de Pirapora, no Norte de Minas, sendo o único do estilo em funcionamento. 

Últimas