Minas Gerais Petroleiros entram em greve após surto de covid em Betim (MG)

Petroleiros entram em greve após surto de covid em Betim (MG)

Sindicato dos Petroleiros exige que a Petrobrás restrinja funcionamento da refinaria aos serviços essenciais

  • Minas Gerais | Lucas Pavanelli, do R7, com RecordTV Minas

Trabalhadores entraram em greve em Betim (MG)

Trabalhadores entraram em greve em Betim (MG)

Petrobras / divulgação

Petroleiros da refinaria Gabriel Passos, em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, entraram em greve nesta segunda-feira (22). Eles pressionam a Petrobras para interromper os serviços não-essenciais no local devido a um surto de covid-19 entre os trabalhadores. 

De acordo com o coordenador-geral do Sindipetro-MG (Sindicato dos Petroleiros de Minas Gerais), Alexandre Finamori, os trabalhadores atenderam à reivindicação do sindicato e ficaram em casa. 

- A refinaria mantém, em plena Onda Roxa, mais de 2.200 trabalhadores a mais na refinaria, em pleno surto de covid-19. que está ocorrendo aqui na Regap. 

A situação foi denunciada por meio de uma carta encaminhada ao MPT (Ministério Público do Trabalho) e entidades de saúde de Betim. 

O documento informa que, nas últimas semana, foram registrados mais de 100 casos de covid-19 entre os trabalhadores. De acordo com o sindicato, as contaminações teriam ocorrido durante uma Parada de Manutenção, quando cerca de 2 mil pessoas foram convocadas "para realizar diversas tarefas" de forma presencial na unidade. 

"O aumento no contingente presencial da Regap de mais de 2 mil pessoas significa que o efetivo quase dobrou de tamanho para trabalhar praticamente no mesmo espaço. Ainda, para esse aumento, há indivíduos e equipes inteiras que vem de outros estados, o que poderia aumentar o risco de contágio pelas novas variantes do coronavírus", diz o texto. 

Ainad segundo o Sindipetro, 10 trabalhadores precisaram ser internados em decorrência da covid-19, dos quais quatro são da Petrobras. 

O sindicato teria pedido o adiamento da Parada de Manutenção, o que não foi acatado pela empresa.  

Outro lado

Em nota, a Petrobras diz que "não tem medido esforços para enfrentar a pandemia de covid-19" e que vem adotando medidas para proteger a saúde dos colaboradores. De acordo com a empresa, todo o país vem registrando alta nos casos de covid-19 e isso também ocorre entre os seus funcionários. 

Confira a nota na íntegra

A Petrobras não tem medido esforços para enfrentar a pandemia de Covid-19, que assola não só a empresa, mas todo o país e o mundo. A companhia é responsável por prover serviços essenciais, como o fornecimento de combustíveis e energia que abastecem ambulâncias, hospitais e veículos de carga e transporte. Por isso, vem adotando medidas para proteger a saúde dos seus colaboradores, mitigar a propagação do vírus na companhia e assegurar a prestação dos serviços indispensáveis ao atendimento das necessidades inadiáveis à sociedade brasileira.

Infelizmente, observa-se o aumento dos casos em todo o país e esse aumento de incidência da Covid-19 no país tem reflexo também entre os colaboradores da Petrobras. Por isso, a companhia tem adotado medidas robustas de prevenção desde o início da pandemia. As medidas da Petrobras estão entre as mais rigorosas adotadas no segmento de petróleo. Em todas as unidades da companhia, foi adotado o teletrabalho para as atividades que podem ser realizadas de forma remota. E medidas de prevenção foram implantadas para evitar a contaminação dentro das unidades da empresa. A companhia, por exemplo, testa todos os colaboradores com suspeita, sendo uma das primeiras empresas brasileiras a realizar esse procedimento em larga escala com taxas de testagem por população maior que a de muitos países.

Na Refinaria Gabriel Passos (Regap), desde maio de 2020 são aplicados testes rápidos em todos os colaboradores, como triagem para evitar a contaminação dentro das instalações da unidade. Além disso, foram implantadas as seguintes ações preventivas para os profissionais que atuam presencialmente:

· Todos os colaboradores passam por avaliação de saúde, com medição de temperatura, diariamente, na entrada da refinaria.

· Foi adotado o turno de 12 horas, diminuindo o rodízio de pessoas na refinaria.

· Foram reforçadas as medidas de higiene e distanciamento, além do uso obrigatório de máscaras

· A refinaria contratou agentes que fiscalizam diariamente o cumprimento dessas medidas durante a parada.

· As equipes de saúde foram reforçadas. Todos os colaboradores são orientados a reportar qualquer sintoma e, a partir da identificação de sintomas, recebem atendimento médico, são testados e encaminhados para quarentena. Os contactantes também são identificados e passam pelo mesmo procedimento.

Em relação ao movimento grevista, a Petrobras informa que a Regap opera com equipes de contingência sem impacto na produção. O movimento de greve causa enorme estranheza à Companhia visto que o Acordo Coletivo de Trabalho 2020-2022 foi pactuado há cerca de 6 meses.

Últimas