Minas Gerais PF investiga venda de vagas falsas na Faculdade de Medicina da UFMG

PF investiga venda de vagas falsas na Faculdade de Medicina da UFMG

Estelionatários usavam carimbos falsos de funcionários da universidade para enganar os interessados; grupo aceitava até carros como pagamento

  • Minas Gerais | Pablo Nascimento, do R7

Grupo oferecia vagas de medicina na UFMG

Grupo oferecia vagas de medicina na UFMG

Kiuane Rodrigues / Record TV Minas

A PF (Polícia Federal) compre, nesta segunda-feira (14), mandados de busca e apreensão contra um grupo suspeito de oferecer e vender vagas falsas no curso de medicina da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

A corporação revelou que os estelionatários usavam assinaturas e carimbos falsos dos servidores da faculdade para enganar os interessados em comprar as vagas.

Segundo a PF, os fraudadores chegaram a enviar documentos à instituição para provar aos clientes que o esquema era verdadeiro. No entanto, ao perceber que haviam sido enganados, os compradores procuraram a UFMG para alertar sobre o golpe.

As investigações duraram quase um ano. Neste período, os suspeitos movimentaram mais de R$ 1 milhão em contas bancárias, mas os investigadores não revelaram qual era o valor cobrado. Segundo a Polícia Federal, o pagamento pelas vagas era feito em dinheiro e até com veículos.

Ainda de acordo com a PF, os investigados vão responder pelos crimes de estelionato, falsificação de documento, uso de documento falso e associação criminosa. As penas para estes delitos podem chegar a até 20 anos de prisão.

A Justiça Federal em Belo Horizonte bloqueou as contas bancárias dos envolvidos e liberou o cumprimento de mandados de busca e apreensão. Três deles foram cumpridos nas cidades de Contagem, na Grande BH, em Goiânia e no Rio de Janeiro. Há suspeita de que o esquema também tenha se repetido em outras faculdades, mas as instituições não foram reveladas.

Procurada, a UFMG informou à reportagem que a denúncia sobre o esquema foi feita pela própria instituição após receber reclamações de pessoas reclamando sobre as vagas. A universidade destacou, ainda, que a única forma de ingresso nos 91 cursos de graduação é o Sisu (Sistema de Seleção Unificada), do Governo Federal.

Veja a íntegra da nota da UFMG:

"Sobre a deflagração da “Operação Hipócrates”, que investiga a venda de vagas falsas no curso de Medicina, a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) informa que partiu da Universidade a solicitação pela investigação ao ter conhecimento da existência de pessoas que estavam reivindicando o acesso a vagas por meio do suposto esquema.  A UFMG atua em colaboração com as autoridades competentes e informa que nenhum dos envolvidos tem vínculos conhecidos com a Universidade.

A UFMG ressalta que a única forma de entrada de estudantes em todos os seus 91 cursos de graduação se dá por meio do Sisu, Sistema de Seleção Unificada, gerido pelo Ministério da Educação. A Universidade reitera seu compromisso público com a transparência e irá denunciar e combater toda e qualquer tentativa criminosa de oferta de vagas relacionada  à instituição."

Últimas