Minas Gerais Polícia conclui inquérito e não indicia Cazares por agressão

Polícia conclui inquérito e não indicia Cazares por agressão

Após apurações, Polícia Civil concluiu que não há indícios para indiciamento; meia foi acusado de agressão por duas mulheres após festa em sua casa

Cazares foi denunciado por agressão em setembro

Cazares foi denunciado por agressão em setembro

Divulgação / Atlético MG / Bruno Cantini

Após uma investigação que durou 30 dias, a Polícia Civil de Minas Gerais decidiu não indiciar o jogador do Atlético-MG Juan Cazares. Ele foi denunciado por agressão por duas mulheres que teriam se desentendido com o atleta durante uma festa na casa do jogador. 

De acordo com a Polícia Civil, não há indícios suficientes de autoria ou mesmo materialidade para indiciamento dos investigados. A corporação diz que foi comprovado que houve vias de fato entre as denunciantes e uma outra mulher que estava na casa do jogador. Com isso, foi feito o Termo Circunstaciado de Ocorrência em relação ao fato. 

Juan Cazares chegou a ser conduzido para a delegacia de Lagoa Santa, na região mepolitana de Belo Horizonte, no dia 9 de setembro, data em que foi aberto o inquérito. A Polícia Civil  ouviu, na ocasião, as duas mulheres que denunciaram a agressão, três homens e uma outra mulher que estava na casa do jogador, que fica em um condomínio na cidade. 

Os depoimentos das denunciantes, que tem 20 e 24 anos, divergem da versão do jogador. Segundo elas, após as agressões, Cazares teria oferecido R$ 10 mil para que elas não chamassem a polícia. Conforme o jogador, elas é que teriam pedido o valor para não apresentar denúncia contra ele.