Minas Gerais Polícia encontra corpos de bebês mortos a mando do pai que não queria registrá-los

Polícia encontra corpos de bebês mortos a mando do pai que não queria registrá-los

Mãe das crianças, Izabella Marquez, foi morta com um tiro na nuca

Polícia encontra corpos de bebês mortos a mando do pai que não queria registrá-los

Mãe marcou encontro com suspeito para tentar registrar as crianças

Mãe marcou encontro com suspeito para tentar registrar as crianças

Reprodução/Facebook
Corpo de Izabella Marquez Gianvechio foi encontrado no domingo (15)

Corpo de Izabella Marquez Gianvechio foi encontrado no domingo (15)

Facebook / Reprodução

Terminou em tragédia um caso extraconjugal em Uberaba, no Triângulo Mineiro. A polícia encontrou nesta terça-feira (17) os corpos de dois bebês, mortos a tiros, perto de onde o corpo da mãe foi descoberto no domingo (15).

Os gêmeos foram retirados do carro e executados ainda na cadeirinha de segurança.

O suposto pai das crianças, Matusalém Ferreira Júnior, 44 anos, se entregou na delegacia de Uberaba e contou que mandou um homem matar Izabella Marquez Gianvechio, 22 anos, e os dois filhos que teve com ela, gêmeos de dois meses. Eles tinham saído apenas duas vezes e a jovem engravidou.

As crianças foram deixadas em uma estrada em Buritizal (SP), perto da divisa com Minas Gerais. O comerciante já é casado e se recusava a registrar as crianças. A polícia suspeita que ele tenha cometido o crime porque foi procurado pela jovem para assumir os filhos.

Leia mais notícias de Minas Gerais no Portal R7

Izabella e os gêmeos sumiram no dia 12 de fevereiro. Ela mandou uma mensagem para uma amiga dizendo que ia se encontrar com Matusalém Ferreira, mas ninguém podia saber. Três dias depois do sumiço, o corpo foi encontrado com um tiro na nuca.

Nesta terça-feira (17), o suspeito de ser o mandante do crime se apresentou na delegacia de Uberaba, prestou depoimento e foi preso. Em seguida, os policiais saíram em diligências e chegaram aos corpos dos bebês com a ajuda de agentes da Polícia Civil de São Paulo.

O executor do crime seria conhecido como Pedrão e é procurado. O carro usado no crime foi encontrado carbonizado em uma fazenda.