Minas Gerais Polícia lança bombas de gás lacrimogêneo contra manifestantes na Pampulha

Polícia lança bombas de gás lacrimogêneo contra manifestantes na Pampulha

O primeiro confronto registrado na capital mineira começou na avenida Américo Vespúcio

Polícia lança bombas de gás lacrimogêneo contra manifestantes na Pampulha

Explosão gerou correria entre manifestantes; PM ainda não divulgou de quem partiu a ordem

Explosão gerou correria entre manifestantes; PM ainda não divulgou de quem partiu a ordem

BHNasRuas/Divulgação
Manifestantes se protegem do gás com panos e vinagre

Manifestantes se protegem do gás com panos e vinagre

BHNasRuas/Divulgação

O protesto que reúne cerca de 20 mil pessoas e seguia de forma pacífica pelas ruas de Belo Horizonte teve seu primeiro confronto entre a Polícia Militar e os manifestantes no fim da tarde desta segunda-feira (17). Na avenida Antônio Carlos, na região da Pampulha, bombas de gás lacrimogêneo foram atiradas pelos militares.

O grupo, que saiu da praça Sete, no centro da capital mineira, e seguia em direção à avenida Antônio Carlos, que dá acesso ao Mineirão, tentou furar o cerco da polícia, que revidou atirando as bombas. Nas redes sociais, quem estava no local afirmou que os policiais usaram helicópteros para jogar os artefatos.

Tropa de choque barra manifestação de professores até o Mineirão

Justiça mantém liminar que proíbe manifestações que atrapalhem o trânsito em Minas durante a Copa das Confederações

Houve apreensão e correria entre os manifestantes, que se refugiaram em ruas paralelas à avenida. Algumas pessoas que participavam da manifestação atiraram pedras contra os policiais.

O protesto começou por voltar das 13h30. Jovens chegaram a deitar no encontro das avenidas Afonso Pena e Amazonas para impedir a passagem dos veículos. Em seguida, foram em passeata do Complexo da Lagoinha até a avenida Antônio Carlos.

Moradores das áreas no entorno do trajeto da marcha e estudantes da UFMG que estavam no campus e ajudaram a "engrossar" o movimento, que começou com cerca de 12 mil pessoas na praça Sete.

A área de exclusão exigida pela Fifa, em um raio de 2 km em torno do Gigante da Pampulha, é monitorada pela Polícia Militar, que conta com o Batalhão de Choque para impedir a entrada dos manifestantes. Cerca de 1.000 militares do Exército estão na região, mas só podem ser acionados por ordem da Presidência da República.