Prefeito de BH não descarta "lockdown": "não se espantem" 

Alexandre Kalil (PSD) disse que decisão depende de comportamento de moradores e que vai instalar 13 barreiras sanitárias nas entradas da capital

Segundo Kalil, comportamento do morador de BH é que vai definir situação

Segundo Kalil, comportamento do morador de BH é que vai definir situação

Reprodução/Facebook

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), não descarta implementar o "lockdown" na capital mineira como forma de prevenção à disseminação do novo coronavírus. Em entrevista coletiva nesta segunda-feira (11), Kalil disse que não gostaria de "trancar Belo Horizonte", mas que a população da capital não ficasse espantada, caso isso ocorresse. 

— Agora, a população de Belo Horizonte tem três anos e meio que me conhece. Não se espantem se Belo Horizonte for a primeira cidade a ser trancada

Entenda o que é lockdown e quando é necessário adotar essa medida

Kalil reforçou, ainda, que depende do comportamento da população a reabertura do comércio, com previsão para 25 de maio ou mesmo o "lockdown". Essa última se trata de um isolamento rigoroso, que limita a circulação de carros e de pessoas nas ruas, além de comércios e outros serviços. 

Cidades de estados como o Maranhão, caso da capital São Luís, do Pará, Ceará e até bairros da capital fluminense já estão experimentando o "lockdown". 

Barreira sanitária

A partir da próxima semana, a Prefeitura de Belo Horizonte instalará 13 barreiras sanitárias para monitorar o acesso à cidade. Veículos poderão ser parados para que motoristas e passageiros sejam monitorados em relação a uma possível contaminação pelo novo coronavírus.

Segundo o prefeito Alexandre Kalil, a fiscalização vai ficar por conta da Polícia Militar, a BHTrans (empresa que gerencia o trânsito na capital mineira) e a Secretaria Municipal de Saúde. 

Kalil não detalhou qual análise será feita em quem desejar entrar na cidade e nem a data de início da ação. Os detalhes do projeto devem ser divulgados ainda nesta semana